Dicas

Dor no quaril, evite exagerar nos treinos para não sofrer do problema

Você está no meio da corrida e sente uma fisgada dolorosa no glúteo. Antes de entrar em pânico, é importante checar a dor, que pode ir de um desconforto – devido a um treino mais pesado – a um indicativo de lesão no quadril. Correr sobrecarrega a articulação do quadril, do joelho e do tornozelo. Por isso, é importante se prevenir, para não desenvolver uma tendinite dos músculos abdutores, muito comum entre os corredores.

O QUE É?
O grupo muscular dos abdutores é formado pelo glúteo médio, mínimo e tensor do fáscia lata. Este grupo é responsável pelo movimento de abrir a perna, além do glúteo médio ser o principal músculo estabilizador do quadril. Isto é, ele impede que a bacia incline quando tiramos o pé do chão. Por isso, ele é extremamente exigido durante a marcha e a corrida, e susceptível às lesões por sobrecarga.

CAUSAS
As causas das lesões geralmente são uma combinação de fatores, mas o principal motivo é o aumento da carga de exercício de forma abrupta, seja no caso dos corredores de fim de semana, que resolvem correr sem estarem treinados, ou em corredores regulares, que decidem aumentar consideravelmente sua carga de treino. O excesso de impacto na região também é causa do problema.

COMO EVITAR?
A prevenção é a chave do sucesso de um praticante de atividade física: – Seguir o planejamento dos treinamentos, com atividades de preparo físico, alongamento, fortalecimento, equilíbrio muscular e postura;
– Respeitar os períodos de descanso para a recuperação do corpo;
– Ter cuidado com o overtraining, pois o excesso de treino é lesivo ao corpo.

Em casos crônicos e incapacitantes, que dificultam as atividades diárias e esportivas, é importante procurar um ortopedista especialista em quadril.

Pedalar pode trazer problemas para os joelhos

A bicicleta é a opção de muitos para a prática esportiva ou para enfrentar o trânsito, cada dia mais caótico. Mas é preciso alguns cuidados para garantir que a saúde do corpo seja mantida.
Para evitar as dores e as lesões, o ciclista deve manter a postura correta durante a atividade e fazer o posicionamento correto dos módulos da bicicleta.
Quem anda de bicicleta de forma inadequada corre mais risco de sofrer tendinites no joelho e problema na articulação femoropatelar. Isso ocorre devido ao ajuste inadequado da bicicleta e treinamento excessivo ou inadequado. A tendinite é uma inflamação que acomete os tendões, que são estruturas localizadas entre os músculos e os ossos. Entre os principais tendões acometidos na região do joelho estão o tendão patelar, tendão do músculo poplíteo e da pata de ganso. É possível desconfiar da tendinite no joelho quando sentir dor e uma hipersensibilidade no tendão. Esses sintomas podem piorar conforme o indivíduo se movimente. A dor também pode aparecer atrás dos joelhos ou no lado de dentro.
Na presença dos sintomas, é importante consultar um médico para fazer exames. O especialista pode pedir para o paciente correr, saltar ou agachar para analisar a intensidade da dor. Exames como ultrassonografia, ressonância magnética, entre outros podem auxiliar.
O tratamento pode ser conservador por meio de medicamentos para diminuir a inflamação ou em alguns casos a fisioterapia pode ser indicada para restaurar a função do músculo e a biomecânica do membro inferior. O laser e a terapia combinada podem ser excelentes coadjuvantes no tratamento associado aos exercícios.

O que é joelho degenerativo?

Hoje trazemos para vocês informações sobre JOELHO DEGENERATIVO.

A melhora na qualidade de vida, os avanços da medicina e a pratica de atividades esportivas estão fazendo que a vida média da população aumente progressivamente.

Quanto mais atividade física fizermos e mais tempo vivermos, maiores serão os riscos de desenvolver problemas nas articulações dos membros inferiores, onde o joelho é a mais afetada.

O joelho do idoso, pode apresentar alterações degenerativas da cartilagem, e causar sintomas de dor, inchaço, dificuldade nas atividades diárias e esportivas.

As alterações degenerativas são decorrentes do desgaste da cartilagem, sequelas de traumas, doenças inflamatórias, osteonecrose, instabilidade e meniscectomia prévia.

Caso você se identifique com este caso, ligue pra gente e marque uma consulta. Somos referencia no tratamento de JOELHO.

Saiba mais: www.institutofuchs.com.br

Cuidados durante a caminhada na areia

No verão, muita gente vai à praia para passar as férias. A caminhada na areia é uma excelente opção de exercício para manter o condicionamento físico.

Caminhar na areia trabalha muito os músculos dos membros inferiores e também o sistema cardiovascular. Porém devemos tomar cuidados para não sofrer algum tipo de lesão, principalmente no quadril e no joelho.

Preferir locais sem inclinação da areia na praia e sempre usar um tênis adequado. A inclinação causa uma sobrecarga de um lado do corpo, em vez de distribuir o peso pelas duas pernas. Descalço ou de chinelo não existe o amortecimento necessário e todo impacto é absorvido pelas articulações.

A areia fofa dificulta ainda mais o exercício, e não é indicada para iniciantes. É importante tomar cuidados com os desníveis para não sofrer uma torção do joelho ou tornozelo.

Nós, do Instituto Fuchs, estamos prontos para atendê-los. Cuide do seu joelho.
Ligue e marque uma consulta: (41) 3026-6959 ou acesse www.institutofuchs.com.br e saiba mais.

5 dicas para ter joelhos saudáveis

O sedentarismo é um dos principais responsáveis pelo desequilíbrio e fraqueza muscular, e pode repercutir no joelho. Veja algumas dicas para evitar problemas nessa articulação.
1 – Faça atividades físicas: o desenvolvimento e manutenção de músculos fortes no quadríceps e isquiotibiais (anteriores e posteriores da coxa), e dos músculos abdutores do quadril, pode diminuir a dor no joelho, prevenir e controlar algumas doenças.
2 – Fortaleça o joelho: na prática esportiva, o joelho é uma articulação essencial para transportar energia para outras regiões do corpo. Assim, precisa ter estabilidade e força muscular, para dissipar e transferir essa energia.
3 – Não esqueça do quadril: pesquisas recentes mostram que os abdutores, principalmente o músculo glúteo médio, que são estabilizadores do quadril, quando fortes e de rápida contração, evitam que o joelho “caia para dentro”, causando a postura de valgo dinâmico, muito comum em mulheres que praticam corrida de rua.
4 – Sem exageros: evite excessos de treino visando alguma prova ou competição. Estudos demonstram que, dentre as demais articulações, o joelho trabalha muito próximo aos seus limites fisiológicos e a dor após um treino exagerado pode demonstrar que uma lesão se instalou.
5 – Controle o peso: quanto mais você pesa, mais forte é o impacto em seu joelho. O joelho recebe forças de 3 a 7 vezes o peso do corpo durante o exercício. Estudos mostram que, ao perder 10 kg de peso, é possível reduzir em até 20% da dor dos joelhos com artrose.

Nós, do Instituto Fuchs, estamos prontos para atendê-los.
Ligue e marque uma consulta: (41) 3026-6959 ou acesse www.institutofuchs.com.br e saiba mais sobre a saúde do seu JOELHO.

Você sabe o que é o Cisto de Baker?

O cisto de Baker (cisto poplíteo) é um aumento de volume que surge na parte de trás do joelho, devido ao acumulo de líquido articular. Costuma ter origem em outros problemas do joelho, como artrite, artrose, lesão no menisco e desgaste da cartilagem.

Geralmente não apresenta sintomas, mas pode causar dor, inchaço e dificuldade de dobrar o joelho, que tendem a piorar depois da atividade física ou após muito tempo numa mesma posição.

Na maioria dos casos, o cisto de Baker não necessita de tratamento, mas se estiver causando muita dor, pode ser tratado por meio de medicamentos, drenagem do líquido com agulha e fisioterapia.

A avaliação médica é essencial, porque além de tratar o cisto, é necessário tratar a causa subjacente. Problemas na cartilagem, osteoartrite, por exemplo, podem implicar na necessidade de cirurgia para tratamento da causa do problema.

CURIOSIDADE

7 vezes é quanto reduz a probabilidade de você ter problemas no joelho na velhice se praticar corrida regularmente, respeitando os limites físicos de cada um e com orientação de um profissional.

DICAS PARA QUEM VIAJA DE AVIÃO

Passagem aérea comprada, hotel reservado e muitos planos para as férias que estão prestes a acontecer. Mas quem vai encarar várias horas dentro de um avião, precisa tomar alguns cuidados para evitar problemas durante a viagem.
Dores musculares e trombose são alguns dos problemas que podem surgir durante viagens longas, sejam elas de avião, carro, trem ou ônibus.
Veja alguns cuidados:
– Antes de embarcar, faça uma boa ingestão de líquidos, mas evite o consumo de bebidas alcoólicas;
– Escolha roupas e calçados confortáveis. Sapatos de salto, somente após o desembarque;
– O uso de meias elásticas facilita o retorno sanguíneo. Pessoas com problemas de circulação não devem viajar sem elas;
– Durante o voo, procure se movimentar pelos corredores da aeronave e fazer alongamentos simples, principalmente nos membros inferiores, em especial na panturrilha (batata da perna), local muito frequente de trombose venosa profunda.

CUIDADOS COM O QUADRIL DURANTE VIAGEM DE CARRO

Férias chegando e as pessoas não veem a hora de pegar a estrada. Nesta época de verão, o problema é que o tempo de percurso em trajetos curtos costuma aumentar consideravelmente devido ao grande volume de tráfego nas estradas. E, às vezes, para chegar ao tão esperado destino, passa-se muitas horas dentro do carro, o que, além de ser uma perda do tempo livre, também é ruim para o motorista e os passageiros.
Nessas viagens, para evitar dores no joelho e no quadril, alguns cuidados são fundamentais:
– Os passageiros do veículo devem ficar sempre atentos à postura. O joelho e o quadril devem estar dobrados no máximo até 90 graus;
– O motorista precisa também ficar atento à posição dos pedais; os joelhos precisam estar um pouco flexionados. Mantenha os joelhos ao nível do quadril;
– As costas devem estar apoiadas e a distância da direção para as mãos deve ser adequada para que o motorista não fique debruçado ou esticado para trás. Os braços devem estar levemente dobrados ao segurar o volante;
– Em percursos longos ou muito demorados, o ideal é fazer pequenas pausas a cada duas horas para realizar um alongamento e dar uma breve caminhada, diminuindo também o risco de uma trombose.

CUIDADOS COM O JOELHO NO FUTEBOL

 

 

As entorses do tornozelo são as lesões mais comuns do futebol, pois esta região é mais vulnerável a pancadas e aos buracos do campo. Entretanto, o joelho é o mais afetado em termos de gravidade de lesão. Os movimentos de rotação são os responsáveis pelas entorses. Os rompimentos total ou parcial do ligamento cruzado anterior, ligamento colateral medial e do menisco são os principais vilões do atleta amador ou profissional. Dependendo da intensidade do trauma ou entorse, estes ligamentos podem se romper, necessitando de reconstrução cirúrgica em muitos casos.

Além das lesões nos joelhos, os atletas podem sofrer com contusões, que ocorrem principalmente com o contato entre jogadores durante treinos e partidas. Não distante destas lesões, as distensões ou rupturas musculares também são muito comuns tanto no início quanto no final das partidas.

O tempo de recuperação irá variar de acordo com a lesão. O atleta deve se manter em repouso e fazer sessões de fisioterapia, permitindo o retorno ao campo em algumas semanas ou até em alguns meses, nos casos de lesões ligamentares. A fisioterapia desempenha um papel muito importante na recuperação do atleta, sendo que as sessões têm como objetivo aliviar a dor, proteger a articulação e ganho de movimento do joelho.

Em busca de resultados satisfatórios, o fisioterapeuta pode adotar técnicas de relaxamento muscular, mobilização cicatricial, ganho da amplitude de movimento e correção biomecânica com exercícios de fortalecimento e equilíbrio. Vale lembrar que a cirurgia nem sempre é indicada. Dependendo da lesão o problema pode ser tratado apenas com a fisioterapia.

PREVENÇÃO É A MELHOR FORMA DE EVITAR LESÕES

Quando é preciso esticar um pouco mais a perna para receber aquele passe ou quando o movimento de rotação é feito de forma inesperada e brusca os joelhos reclamam. Para não ser mais um atleta lesionado, antes de um jogo ou treino, faça aquecimento específico com trote ou corrida, use equipamentos de proteção como caneleiras, tornozeleiras e bandagens, além de tênis ou chuteira adequada para cada terreno (campo de grama, sintético ou quadra). Além disso, outros cuidados como bom condicionamento físico, alimentação adequada e um bom reforço muscular também podem diminuir os riscos de uma lesão tanto para o atleta amador quanto para o profissional.

Endereço

Av. Sete de Setembro nº 6.496 Seminário - Curitiba/ Paraná
(41) 3026-6959
contatos@institutofuchs.com.br

Siga-nos em nossas Redes

Horários de Atendimento

De Segunda à Quinta-feira dás 9:00h - 19:00h
Sexta dás 8:00h ás 17:00h