Dicas

JOELHO “TORTO” PODE SER SINAL DE UM PROBLEMA?

joelho torto 1

 

Muitas pessoas apresentam desvio de eixo nos membros inferiores e nem por isso são considerados anormais. Quando o joelho fica para “fora” é chamado de VARO (joelho do cavaleiro), e quando vai pra “dentro” é chamado de VALGO (joelho em X).

Existem pessoas que apresentam essa variação do alinhamento dos joelhos por uma característica genética e familiar, ou também por variações de sexo e raça. Muitos homens apresentam o joelho varo e muitas mulheres tem o joelho valgo, e isso não significa que todos tem problema.

A alteração no eixo dos membros inferiores é um fator de risco para doenças degenerativas das articulações ou também pode se manifestar como um sinal de artrose. Quando esta alteração ocorre somente num joelho, ou seja, de maneira assimétrica, deve ser avaliada por especialista, pois pode ser sinal de desgaste da articulação. Os pacientes com artrose do joelho notam que a perna vai “entortando” com o passar dos anos e progressão de desgaste.

CAMINHADA PODE REDUZIR OS SINTOMAS DE ARTROSE NO QUADRIL

Sentir dores nas regiões da coluna, joelho ou quadril durante a prática das atividades diárias, dificuldade para movimentar a articulação e crepitação articular durante o movimento, atrapalha a rotina normal de qualquer pessoa. Esses sintomas podem indicar que você está sofrendo com a temida Artrose.

A artrose é uma doença articular crônica, inflamatória e degenerativa, caracterizada pelo desgaste da cartilagem articular e do osso subcondral, localizado abaixo da cartilagem. Geralmente esta doença aparece nas pessoa mais velhas pelo próprio desgaste com o envelhecimento, porém atividades repetidas de impacto nas articulações, excesso de peso corporal, sequelas de fraturas e doenças da infância podem desencadear a artrose em pacientes mais jovens.

Os locais mais comuns afetados pela artrose são as articulações que suportam o peso, como coluna vertebral, quadril e joelho.
Segundo pesquisadores da Universidade de Queensland, na Austrália, a caminhada progressiva, associada ao tratamento com condroprotetor via oral (sulfato de glicosamina), pode trazer melhora nos sintomas dos pacientes com artrose no quadril e joelho.

No artigo publicado, esses especialistas destacaram que pacientes que caminham pelo menos duas series de 1.500 passos em três dias da semana, relatam sentir menos dor, e consequentemente uma melhora na qualidade de vida.

O resultado da pesquisa confirma que as pessoas que caminharam cerca de três a cinco vezes por semana tiveram uma melhora significativa nos sintomas da artrose. A atividade física tem revelado resultados satisfatórios e duradouros com objetivo de diminuir os efeitos da artrose.

A ingestão do medicamento condroitina ( associada à glicosamina) fez parte deste tratamento, e demonstra benefícios para os pacientes com artrose.
O tratamento da artrose do quadril e joelho nas fases iniciais é conservador, com trabalho muscular, medicações condroprotetoras para a cartilagem, perda de peso e mudança dos hábitos de vida. Em alguns casos é indicada a infiltração de ácido hialurônico (viscossuplementação), para aumentar a lubrificação articular, diminuir o processo inflamatório e melhorar a biologia da cartilagem, na tentativa de reduzir os sintomas e retardar a progressão da doença. Nos casos mais avançados, e naqueles que não respondem ao tratamento conservador, o tratamento é cirúrgico.areia site

PRINCIPAIS PROBLEMAS NO QUADRIL DO ATLETA

principais problemas no quadril siteHoje vamos falar sobre as causas mais comuns de dor no quadril que, na maioria da população, incluem artrose, bursite, dores musculares e compressão nervosa.
Os atletas amadores e profissionais, no entanto, muitas vezes também têm dor no quadril causada por impactos diretos ou indiretos, e síndromes por uso excessivo.
Por isso, é importante para um pessoa, prestar atenção quando começar a sentir algum sinal ou sintoma no quadril para realizar o tratamento necessário e prevenir uma condição crônica.

Conheça algumas das causas mais comuns de dor no quadril em ATLETAS.

ESTIRAMENTO E LESÕES MUSCULARES – As dores no quadril e virilha são muitas vezes resultado de um estiramento do músculo adutor ou da origem do quadríceps. Esta lesão aguda do músculo é semelhante a outros locais do corpo, e quando a musculatura é forçada para além dos seus limites, pode ocorrer uma estiramento, lesão parcial ou total.

FRATURA POR ESTRESSE- São geralmente diagnosticadas nos corredores de longa distância, e muito mais comum em mulheres do que em homens. Estas lesões são geralmente vistas em atletas que praticam atividades de impacto de longa duração, excesso de treinos, normalmente estão associadas com alterações nutricionais ou endocrinológicas. É causada pelo micro-trauma repetitivo no osso ao longo da atividade física.

IMPACTO FEMOROACETABULAR – E causado por uma alteração óssea no fêmur e/ou acetábulo , onde ocorre um contato anormal ( impacto ) entre esses ossos durante os movimentos do quadril. Geralmente está relacionado às atividades com flexão e rotação do quadril. Pode causar lesão do labrum e da cartilagem, e consequentemente artrose do quadril.

PUBALGIA – É um desequilíbrio funcional da musculatura do reto abdominal e adutores. É uma lesão relacionada ao esforço repetitivo na região da sínfise púbica, que causa dor na região inferior do abdome, ou na origem da musculatura adutora, muito comum em atletas. O exame clínico e os exames complementares permitem fazer o diagnóstico preciso da causa da pubalgia, avaliar a qualidade dos tendões, e avaliar o grau de edema ósseo na sínfese púbica. É importante fazer o diagnóstico diferencial e associação com as hérnias inguinais, lesão muscular, alterações ginecológicas / urológicas, impacto femoroacetabular e osteonecrose do quadril.

Em breve traremos outras CAUSAS COMUNS de problemas no QUADRIL.

Joelho do Esportista

joelho esportista

O joelho recebe grandes cargas devido ao suporte do peso corporal e é submetido a grandes forças de aceleração e desaceleração nas atividades da vida diária, que se acentuam durante a prática esportiva.

Durante nosso dia-a-dia, o joelho deve suportar diversas atividades, como por exemplo, levantar da cadeira e da cama, saltar, correr, chutar e realizar mudanças bruscas de direção.

Tudo isso pode resultar em diversos tipos de lesões, causadas por esforços repetitivos ou algum tipo de trauma ou torção.

Esportes como o futebol, corrida, bike, vôlei, basquete, tênis, crossfit, entre outros, podem levar a carga excessiva ou traumática aos joelhos. Estas lesões, muitas vezes, são decorrentes ou complicadas pela falta de conhecimento, treinamento e preparação prévia.

Diariamente atendemos pacientes com lesões nos joelhos devido a esforços repetitivos no trabalho e nas atividades esportivas, e que não realizam previamente o aquecimento e alongamento adequado.

Os joelhos com algum tipo de problema geralmente apresentam dor, inchaço (derrame – “água no joelho”), instabilidade, perda de mobilidade e atrofia muscular. Na presença de qualquer um destes sintomas deve-se procurar atendimento médico especializado para investigar a causa destas alterações, realizar o diagnóstico e o tratamento adequado para cada caso.

DICAS para os PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO

alongamento pós corridaVocê sabia que após a musculação os músculos ficam um pouco tensionados e forçá-los pode causar problemas no desempenho e aumentar o risco de lesões?

Por isso, é bom PEGAR LEVE nos alongamentos pós-treino. Alongue apenas para induzir o corpo ao relaxamento e não exija muito da flexibilidade.

Ao realizar um ALONGAMENTO após o treino, a pessoa/atleta está “esticando” uma musculatura repleta de micro-rupturas das fibras musculares, o que poderá aumentar ainda mais o tamanho da lesão e comprometer sua cicatrização.

Imagine o que acontece se você pega e estica uma meia calça. Não precisa ser mulher para saber que o desfiado aumenta de tamanho. O mesmo acontece com a sua MUSCULATURA.

Nosso corpo pode lidar com as micro-lesões causadas pelo trabalho de hipertrofia muscular, pois está preparado para isso. Porém, muitas vezes não consegue dar conta do recado quando promovemos um estiramento ou alongamento excessivo das micro-rupturas.

Além disso, alongar a musculatura quando ela está extremamente aquecida pode ser perigoso, uma vez que a sua tolerância para dor pode estar alterada graças à liberação de endorfinas, aumento de circulação sanguínea, aumento da mobilidade articular e diminuição da tensão muscular.

O músculo está fadigado e, com isso, aumenta o risco de “passar dos limites” do alongamento sem sentir dor.
Então, pode ficar tranquilo, porque não há necessidade biológica de alongar excessivamente depois do treino de musculação.

INSTITUTO FUCHS é referência no atendimento de pacientes com problemas nas articulações do joelho e quadril.

POST-FUCHS-01-QUEM-PROCURA-FINAL-DE-SEMANA
O Instituto Fuchs atende:

Atletas amadores que fazem atividades físicas frequentes;
Atletas de final de semana;
Atletas de alto desempenho e profissionais;
Pessoas sedentárias com sintomas
Pacientes com sequelas de problemas da infância ou traumas;
Adultos jovens com quadros degenerativos, que procuram tratamento de Preservação Articular;
Pacientes com quadros degenerativos (artrose) que buscam melhor qualidade de vida e pacientes com problemas relacionados a cirurgias prévias.

VOCÊ SABIA?

JOELHo

Que o JOELHO é considerado a MAIOR e MAIS complexa ARTICULAÇÃO do corpo humano?

A articulação é composta por ossos – fêmur, tíbia e patela -, cartilagem, ligamentos, meniscos e tendões.

O joelho recebe ALTAS CARGAS nas atividades diárias e esportivas, que podem levar a diversas alterações TANTO NOS MAIS JOVENS (lesões esportivas) COMO NOS IDOSOS (lesões degenerativas).

As lesões causadas por TORÇÕES são conhecidas como entorses do joelho, e podem atingir os ligamentos, os meniscos e a cartilagem. Os ligamentos são estruturas fibrosas bastante resistentes e responsáveis por manter o joelho firme (estável) durante a prática esportiva.

O joelho possuí quatro ligamentos principais, cada um deles responsável por impedir o movimento excessivo em uma direção particular.
Quando uma força excessiva supera a resistência do ligamento, ele pode se romper parcial ou totalmente. Neste último caso, o joelho fica frouxo e muitas vezes necessita de tratamento cirúrgico para sua recuperação.

Para que o joelho mantenha-se estável, ele depende dos estabilizadores estáticos, que são os ligamentos, e dos estabilizadores dinâmicos, que são os músculos do quadril, coxa e perna.
Estes músculos são fundamentais, pois quando sofremos uma torção, imediatamente estes se contraem, impedindo uma torção excessiva que possa causar uma LESÃO NO JOELHO.
Quem está com a musculatura fraca faz com que a força da torção descarregue-se totalmente sobre os ligamentos, que podem não suportá-la e romper-se.

Outra causa frequente de lesões é a FALTA DE ALONGAMENTO MUSCULAR. Quando não fazemos alongamentos, os músculos trabalham tensos a as articulações com sobrecarga, predispondo tanto a roturas musculares quanto ao sobrecarga na cartilagem.

A realização de ALONGAMENTO MUSCULAR é fundamental, e portanto deve ser realizada antes e depois de toda prática esportiva. Várias atividades físicas atualmente recomendadas nas academias, como yoga, pilates e o trabalho funcional, dão grande ênfase ao alongamento muscular.

CUIDADOS DURANTE A CAMINHADA NA AREIA

 

areia siteNo verão, muita gente vai a praia para passar as férias e a CAMINHADA NA AREIA é uma excelente opção de exercício para manter o condicionamento físico.

Caminhar na areia trabalha muito os músculos dos membros inferiores e também o sistema cardiovascular.

Porém devemos tomar alguns CUIDADOS para não sofrer algum tipo de LESÃO, principalmente no quadril e no joelho.

Preferir locais sem inclinação da areia na praia e sempre usar um tênis adequado são boas opções.

Isso porque a inclinação causa uma sobrecarga de um lado do corpo, em vez de distribuir o peso pelas duas pernas. Descalço ou de chinelo, não existe o amortecimento necessário e todo o impacto é absorvido pelas articulações.

A areia fofa dificulta ainda mais o exercício, e não é indicada para iniciantes.

É importante tomar cuidados com os desníveis para não sofrer uma torção do joelho ou tornozelo.

Idosos com quadro degenerativo

 

degenarativo siteVocês sabiam que pessoas com mais idade ( 50 a 70 anos ) podem apresentar algum grau de Artrose do Joelho – “desgaste da articulação”, em função de atividades no trabalho, esportes praticados, ou pelo próprio envelhecimento?

Muitas vezes este desgaste da articulação está acompanhado da lesão dos meniscos, que funcionam como protetores e amortecedores da distribuição de carga no joelho.
Existe controvérsia na literatura mundial sobre se devemos ou não fazer cirurgia ( artroscopia do joelho ) nas lesões do menisco em pacientes com artrose.

Recentemente, um estudo publicado em revista internacional de grande impacto científico, mostrou que a artroscopia do joelho pode, quando bem indicada, trazer muitos benefícios nos pacientes com lesão do menisco com artrose inicial ou moderada, levando a melhora da qualidade de vida.

Referência: The role for arthroscopic partial meniscectomy in knees with degenerative changes – A SYSTEMATIC REVIEW – Bone Joint J 2016;98-B:934–8.

VOCÊ SABIA QUE A DOR NA LOMBAR PODE SER UM PROBLEMA NO QUADRIL?

dor na lombra e quadril

A lombalgia é o sintoma de dor mais comum no mundo. Mais de 90% das pessoas irão ter dor lombar algum dia na vida.
Geralmente a causa desse sintoma é uma sobrecarga mecânica nos músculos paravertebrais, que não estão suportando a exigência do dia-dia.

Porém, em muitos casos, o problema não esta diretamente na coluna, e sim no quadril.

​Pacientes com artrose do quadril ou com impacto femoroacetabular apresentam perda de rotação do quadril.

Nestes casos, para realizar os movimentos necessários do dia-dia e durante as atividades esportivas, a coluna lombar precisa trabalhar mais para compensar essa falta de mobilidade do quadril, e acaba sendo sobrecarregada. Pacientes com perda de rotação interna do quadril tem 5 a 6 vezes mais risco de lesão nos discos da coluna lombar.

Endereço

Av. Sete de Setembro nº 6.496 Seminário - Curitiba/ Paraná
(41) 3026-6959
contatos@institutofuchs.com.br

Siga-nos em nossas Redes

Horários de Atendimento

De Segunda à Quinta-feira dás 9:00h - 19:00h
Sexta dás 8:00h ás 17:00h