Temas Atuais

Curso reúne especialistas em medicina preservadora e reparadora do quadril

O Grupo Meu Quadril promove, nos dias 03 e 04 de agosto, em Curitiba, o Encontro de Medicina Preservadora e Reparadora do Quadril – Artroscopia do Quadril.

Nos dois dias de curso – com vagas limitadas – serão realizadas aulas sobre Medicina Preservadora e Artroscopia do Quadril, Discussão Interativa de Casos e Cirurgias ao vivo.

Entre os palestrantes estão: Thiago Fuchs (Curitiba), David Gusmão (Porto Alegre), Inácio Ventura (Brasília), Bruno Rabello (Rio de Janeiro), João Lopo (Belo Horizonte), Cristiano Saliba (Curitiba) e Rúbia Benatti (Curitiba).

O curso é uma realização do Instituto Fuchs e Grupo Meu Quadril, com apoio da Tecno Medical e Smith&Nephew.

Inscrições: contato@institutofuchs.com.br

Vale a pena fazer prótese em pessoa acima de 80 anos?

Estalos no quadril precisam de atenção?

Estalos na articulação acontecem normalmente, mas merecem atenção quando são acompanhados de alguma dor ou desconforto.

No quadril, as queixas mais comuns no consultório são o de ressalto externo e ressalto interno.

O ressalto externo do quadril, um estalido na lateral que ocorre no movimento de dobrar ou esticar o quadril como ao subir escadas, acomete principalmente mulheres jovens. Pode ser audível e visível, e costuma ser assintomático. O tratamento na maioria dos casos é alongamento e orientação.

O ressalto interno do quadril, sentido na região da virilha, é causado pelo atrito do tendão do psoas, músculo responsável pela flexão do quadril. Dependendo da forma com que ele passa sobre o quadril no acetábulo pode causar um “clique”.

Quando ocorre dor associada aos estalos, sensação de desencaixe ou incômodo na região do quadril pode ser sinal de uma lesão articular, como uma lesão do labrum, que deve ser avaliada por um médico ortopedista especialista em quadril para diagnosticar e indicar o tratamento adequado.

O Instituto Fuchs atua no tratamento de problemas do quadril e do joelho. Entre em contato pelo telefone (41) 3026-6959 e marque uma consulta!

Casos de lesão no joelho de jogadores da Seleção

Jogadores de futebol têm dificuldade de driblar as lesões no joelho e não é incomum encontrar atletas de alto rendimento que fizeram alguma cirurgia. As mais frequentes são a lesão do cruzado anterior, do menisco, desgastes na cartilagem ou associação dessas lesões. A causa das lesões está relacionada aos movimentos do joelho (especialmente a rotação), com a intensidade e volume dos treinos e jogos, além de especificidades do esporte como disputas pela bola e comportamentos antidesportivos do adversário.

Gabriel Jesus
O atacante do Manchester City e atleta da Seleção Brasileira Gabriel Jesus lesionou o ligamento colateral medial do joelho esquerdo no final do ano passado. A cirurgia foi descartada, a recuperação aconteceu em três meses e ele está participando do Copa da Mundo.

Daniel Alves
O lateral-direito Daniel Alves ficou fora da lista de convocados para a Copa do Mundo da Rússia por conta de uma lesão no joelho direito. O atleta do Paris Saint-Germain foi diagnosticado com uma lesão do ligamento cruzado anterior do joelho, em maio, e passou por uma cirurgia de reconstrução do ligamento. De acordo com a Confederação Brasileira de Futebol (CBF), o prazo de recuperação e retorno às atividades é de seis meses.

Atletas aposentados

Denilson – Ex-jogador e comentarista de futebol – Segundo o atleta, ele foi submetido a quatro cirurgias, começando pelo menisco e depois três raspagens de cartilagem. O joelho direito foi o principal responsável pela aposentadoria aos 30 anos.

Ronaldo – Em 2000, o atacante Ronaldo teve uma ruptura do tendão patelar. Após a primeira cirurgia, sofreu nova ruptura e foi submetido novamente a reconstrução do tendão patelar. Após recuperação completa ele voltou a jogar e foi campeão da Copa do Mundo de 2002.

O Instituto Fuchs atua no tratamento de problemas do quadril e do joelho. Entre em contato pelo telefone (41) 3026-6959 e marque uma consulta!

Checklist pré-operatório evita erros médicos; conheça:

Você sabia que para garantir a segurança do paciente, todos os procedimentos cirúrgicos passam por um checklist pré-operatório? Este checklist inclui os dados da pessoa, possíveis alergias, a operação que será realizada, nome do cirurgião responsável, horário da anestesia e outras informações.

O checklist pré-operatório é um procedimento adotado por hospitais no mundo todo e busca evitar erros na cirurgia. Confira:

 

Gostou do vídeo? Curta e Compartilhe.

A BIOMECÂNICA DA CORRIDA

O nosso tema de hoje é curioso e abrangente, tendo em vista que milhares de pessoas elegeram a corrida como a sua atividade física.

Vamos falar sobre a BIOMECÂNICA DA CORRIDA, ferramenta útil e que assusta alguns corredores, pois eles acreditam ser muito difícil ou até impossível alterar a sua forma de correr.

Pois não é. Pesquisadores da Universidade de Harvard estão publicando artigos mostrando que é possível melhorar a biomecânica de corredores em duas semanas.

Correr com uma boa biomecânica previne problemas, trata as lesões e auxilia na performance.

A ideia não é implicar com detalhes e particularidades da corrida de cada um, e sim melhorar pontos chaves que vão fazer com que o corpo sofra menor sobrecarga, como o impacto, posição na aterrissagem e a postura do joelho.

Então vamos lá:

IMPACTO
O alto impacto na corrida está associado a lesões como dor anterior do joelho, fascite plantar e fratura por stress. Para diminuir o impacto a dica é: “cresça” o corpo para cima, tente diminuir o barulho ao correr e aterrisse o pé próximo ao corpo.

A pesquisadora Irene Davis, de Harvard, publicou um estudo de caso com três pessoas que foram treinadas por duas semanas a correrem aterrissando com o médio pé, padrão de movimento que diminui o impacto. Foram oito sessões onde os participantes, que sofriam de dor anterior no joelho, correram por 30 minutos. Nas primeiras sessões eles usaram uma palmilha que emitia um som todas as vezes que aterrissavam da forma indesejada, com o calcanhar.

Além disso elas receberam as orientações de crescer o corpo e aterrissar suavemente. Nas últimas sessões elas correram sem a palminha, somente seguindo as orientações. Ao final das 2 semanas as corredoras estavam aterrissando com o médio pé e sua dor no joelho havia diminuído. Elas retornaram para um novo teste após um mês onde foi detectado que continuavam correndo com o médio pé e com menor dor. Ou seja, o aprendizado foi efetivo e duradouro.

POSIÇÃO NA ATERRISAGEM
Quanto mais perto do corpo o pé aterrissa na corrida menos o joelho sofre. É uma questão de teoria mecânica, que pode ser vista na prática em corredores profissionais.

Para melhorar essa característica da corrida tente correr sem enxergar muito os seus pés a frente. Correr assim também auxilia na diminuição do impacto.

POSTURA DO JOELHO
O valgo dinâmico, que é uma queda do joelho para dentro, está associado a várias lesões. O mesmo grupo de Harvard mostrou que foi possível melhorar esse desalinhamento de forma similar ao treino de diminuição do impacto, com orientação e biofeedback.

Por duas semanas, um grupo correu enxergando seu movimento através de um programa de computador (recurso conhecido como biofeedback) e recebendo a orientação de fazer força no quadril (onde o músculo que controla o valgo se encontra). Eles conseguiram melhorar o movimento do joelho na corrida mesmo sem o biofeedback das últimas sessões e no teste após 3 meses.

Não importa a idade. O corpo é capaz de aprender a correr melhor e de forma mais saudável. No começo é preciso pensar um pouco e prestar atenção, mas depois o novo movimento fica automático. Procure um educador físico para orientar seu treino e tenha sempre cuidado com a saúde do seu joelho e quadril. Para maiores informações acesse o site :www.institutofuchs.com.br

Prótese total de quadril: metal x cerâmica x polietileno

 

Metal-polietileno: Popularizou-se no fim dos anos 60, e até hoje é utilizado em pacientes mais idosos ou com demanda funcional baixa. Sua desvantagem é o desgaste com o decorrer dos anos e a reação do organismo aos micros fragmentos de plástico resultantes deste desgaste, que pode levar à soltura do implante.

Atualmente dispomos de um tipo especial de polietileno, chamado de cross-linked. Este é muito mais resistente e mais durável do que o polietileno tradicional, segundo evidências científicas já estabelecidas. Esta evolução na qualidade do material permitiu que a indicação deste tipo de superfície fosse ampliada para pacientes mais jovens e mais ativos.

Cerâmica-polietileno: é uma opção bastante interessante. A cerâmica tem uma afinidade maior com a água e permite uma melhor lubrificação e um menor desgaste do polietileno em longo prazo. Pode ser usada em combinação com o polietileno crosslinked, aumentando ainda mais sua longevidade. É uma ótima opção em paciente jovens praticantes de atividades físicas.

Cerâmica-cerâmica: é a opção que menos apresenta desgaste em longo prazo. Costuma ser a opção mais usada em pacientes jovens.
Seu uso popularizou-se na Europa, aonde foi desenvolvida nos anos 70. É curioso notar que mais de 90% das cerâmicas usadas em todo mundo, inclusive no Brasil, se originam da mesma fábrica na Alemanha.

Metal-metal: atualmente a utilização desta superfície de contato é na artroplastia tipo resurfacing, que é um modelo especial de prótese de quadril indicado para alguns casos muito específicos, geralmente homens, jovens praticantes de atividades físicas de alto impacto. Sua utilização em próteses totais clássicas atualmente é muito baixa devido aos problemas relacionados aos debris metálicos produzidos pelo desgaste.

EXPERIÊNCIA E INOVAÇÃO

O Dr.Rogério Fuchs e o Dr.Thiago Fuchs são exemplos disso.
Juntos, eles participaram do 17º Congresso Brasileiro de Cirurgia do Joelho, no Rio de Janeiro, entre os dias 12 e 14 de abril.
Nesta edição foram abordadas técnicas cirúrgicas consagradas e atualizações para melhorar ainda mais a satisfação e a qualidade de vida dos pacientes.

Conheça detalhes importantes para artroscopia do quadril em adolescentes

Existe uma grande preocupação mundial em individualizar cada procedimento cirúrgico de acordo com a particularidade de cada paciente.

Na artroscopia do quadril não é diferente.
A fase do desenvolvimento esquelético varia de acordo com a idade e desenvolvimento hormonal de cada adolescente. Cada paciente deve ser avaliado quanto ao potencial da cartilagem de crescimento para não prejudicar o desenvolvimento ósseo.
A anatomia dos adolescentes do sexo masculino e feminino também é diferente. Impacto femoroacetabular tipo CAM (femoral) é mais frequente em meninos, e o tipo Pincer (acetabular) é mais comum nas meninas. Além disso, a fase de maturação esquelética é diferente entre paciente de sexos diferentes com a mesma idade. Geralmente as meninas têm a maturação esquelética mais precoce.
Saiba mais sobre artroscopia do quadril em nosso site www.institutofuchs.com.br .

Superfíces de contato na prótese total do quadril

Hoje trazemos para vocês OS TIPOS de superfícies de contato que podem ser utilizados na prótese total de quadril.

1- Metal-polietileno: Popularizou-se no fim dos anos 60, e até hoje é utilizado em pacientes mais idosos ou com demanda funcional baixa. Sua desvantagem é o desgaste com o decorrer dos anos e a reação do organismo aos micros fragmentos de plástico resultantes deste desgaste, que pode levar à soltura do implante.

Atualmente dispomos de um tipo especial de polietileno, chamado de cross-linked. Este é muito mais resistente e mais durável do que o polietileno tradicional, segundo evidências científicas já estabelecidas. Esta evolução na qualidade do material permitiu que a indicação deste tipo de superfície fosse ampliada para pacientes mais jovens e mais ativos.

2- Cerâmica-polietileno: é uma opção bastante interessante. A cerâmica tem uma afinidade maior com a água e permite uma melhor lubrificação e um menor desgaste do polietileno em longo prazo. Pode ser usada em combinação com o polietileno crosslinked, aumentando ainda mais sua longevidade. É uma ótima opção em paciente jovens praticantes de atividades físicas.

LEIA O NOSSO SITE E SAIBA MAIS: http://institutofuchs.com.br/category/blog/tratamentos/

Endereço

Av. Sete de Setembro nº 6.496 Seminário - Curitiba/ Paraná
(41) 3026-6959
contatos@institutofuchs.com.br

Siga-nos em nossas Redes

Horários de Atendimento

De Segunda à Quinta-feira dás 9:00h - 19:00h
Sexta dás 8:00h ás 17:00h