Temas Atuais

A BIOMECÂNICA DA CORRIDA

O nosso tema de hoje é curioso e abrangente, tendo em vista que milhares de pessoas elegeram a corrida como a sua atividade física.

Vamos falar sobre a BIOMECÂNICA DA CORRIDA, ferramenta útil e que assusta alguns corredores, pois eles acreditam ser muito difícil ou até impossível alterar a sua forma de correr.

Pois não é. Pesquisadores da Universidade de Harvard estão publicando artigos mostrando que é possível melhorar a biomecânica de corredores em duas semanas.

Correr com uma boa biomecânica previne problemas, trata as lesões e auxilia na performance.

A ideia não é implicar com detalhes e particularidades da corrida de cada um, e sim melhorar pontos chaves que vão fazer com que o corpo sofra menor sobrecarga, como o impacto, posição na aterrissagem e a postura do joelho.

Então vamos lá:

IMPACTO
O alto impacto na corrida está associado a lesões como dor anterior do joelho, fascite plantar e fratura por stress. Para diminuir o impacto a dica é: “cresça” o corpo para cima, tente diminuir o barulho ao correr e aterrisse o pé próximo ao corpo.

A pesquisadora Irene Davis, de Harvard, publicou um estudo de caso com três pessoas que foram treinadas por duas semanas a correrem aterrissando com o médio pé, padrão de movimento que diminui o impacto. Foram oito sessões onde os participantes, que sofriam de dor anterior no joelho, correram por 30 minutos. Nas primeiras sessões eles usaram uma palmilha que emitia um som todas as vezes que aterrissavam da forma indesejada, com o calcanhar.

Além disso elas receberam as orientações de crescer o corpo e aterrissar suavemente. Nas últimas sessões elas correram sem a palminha, somente seguindo as orientações. Ao final das 2 semanas as corredoras estavam aterrissando com o médio pé e sua dor no joelho havia diminuído. Elas retornaram para um novo teste após um mês onde foi detectado que continuavam correndo com o médio pé e com menor dor. Ou seja, o aprendizado foi efetivo e duradouro.

POSIÇÃO NA ATERRISAGEM
Quanto mais perto do corpo o pé aterrissa na corrida menos o joelho sofre. É uma questão de teoria mecânica, que pode ser vista na prática em corredores profissionais.

Para melhorar essa característica da corrida tente correr sem enxergar muito os seus pés a frente. Correr assim também auxilia na diminuição do impacto.

POSTURA DO JOELHO
O valgo dinâmico, que é uma queda do joelho para dentro, está associado a várias lesões. O mesmo grupo de Harvard mostrou que foi possível melhorar esse desalinhamento de forma similar ao treino de diminuição do impacto, com orientação e biofeedback.

Por duas semanas, um grupo correu enxergando seu movimento através de um programa de computador (recurso conhecido como biofeedback) e recebendo a orientação de fazer força no quadril (onde o músculo que controla o valgo se encontra). Eles conseguiram melhorar o movimento do joelho na corrida mesmo sem o biofeedback das últimas sessões e no teste após 3 meses.

Não importa a idade. O corpo é capaz de aprender a correr melhor e de forma mais saudável. No começo é preciso pensar um pouco e prestar atenção, mas depois o novo movimento fica automático. Procure um educador físico para orientar seu treino e tenha sempre cuidado com a saúde do seu joelho e quadril. Para maiores informações acesse o site :www.institutofuchs.com.br

Prótese total de quadril: metal x cerâmica x polietileno

 

Metal-polietileno: Popularizou-se no fim dos anos 60, e até hoje é utilizado em pacientes mais idosos ou com demanda funcional baixa. Sua desvantagem é o desgaste com o decorrer dos anos e a reação do organismo aos micros fragmentos de plástico resultantes deste desgaste, que pode levar à soltura do implante.

Atualmente dispomos de um tipo especial de polietileno, chamado de cross-linked. Este é muito mais resistente e mais durável do que o polietileno tradicional, segundo evidências científicas já estabelecidas. Esta evolução na qualidade do material permitiu que a indicação deste tipo de superfície fosse ampliada para pacientes mais jovens e mais ativos.

Cerâmica-polietileno: é uma opção bastante interessante. A cerâmica tem uma afinidade maior com a água e permite uma melhor lubrificação e um menor desgaste do polietileno em longo prazo. Pode ser usada em combinação com o polietileno crosslinked, aumentando ainda mais sua longevidade. É uma ótima opção em paciente jovens praticantes de atividades físicas.

Cerâmica-cerâmica: é a opção que menos apresenta desgaste em longo prazo. Costuma ser a opção mais usada em pacientes jovens.
Seu uso popularizou-se na Europa, aonde foi desenvolvida nos anos 70. É curioso notar que mais de 90% das cerâmicas usadas em todo mundo, inclusive no Brasil, se originam da mesma fábrica na Alemanha.

Metal-metal: atualmente a utilização desta superfície de contato é na artroplastia tipo resurfacing, que é um modelo especial de prótese de quadril indicado para alguns casos muito específicos, geralmente homens, jovens praticantes de atividades físicas de alto impacto. Sua utilização em próteses totais clássicas atualmente é muito baixa devido aos problemas relacionados aos debris metálicos produzidos pelo desgaste.

EXPERIÊNCIA E INOVAÇÃO

O Dr.Rogério Fuchs e o Dr.Thiago Fuchs são exemplos disso.
Juntos, eles participaram do 17º Congresso Brasileiro de Cirurgia do Joelho, no Rio de Janeiro, entre os dias 12 e 14 de abril.
Nesta edição foram abordadas técnicas cirúrgicas consagradas e atualizações para melhorar ainda mais a satisfação e a qualidade de vida dos pacientes.

Conheça detalhes importantes para artroscopia do quadril em adolescentes

Existe uma grande preocupação mundial em individualizar cada procedimento cirúrgico de acordo com a particularidade de cada paciente.

Na artroscopia do quadril não é diferente.
A fase do desenvolvimento esquelético varia de acordo com a idade e desenvolvimento hormonal de cada adolescente. Cada paciente deve ser avaliado quanto ao potencial da cartilagem de crescimento para não prejudicar o desenvolvimento ósseo.
A anatomia dos adolescentes do sexo masculino e feminino também é diferente. Impacto femoroacetabular tipo CAM (femoral) é mais frequente em meninos, e o tipo Pincer (acetabular) é mais comum nas meninas. Além disso, a fase de maturação esquelética é diferente entre paciente de sexos diferentes com a mesma idade. Geralmente as meninas têm a maturação esquelética mais precoce.
Saiba mais sobre artroscopia do quadril em nosso site www.institutofuchs.com.br .

Superfíces de contato na prótese total do quadril

Hoje trazemos para vocês OS TIPOS de superfícies de contato que podem ser utilizados na prótese total de quadril.

1- Metal-polietileno: Popularizou-se no fim dos anos 60, e até hoje é utilizado em pacientes mais idosos ou com demanda funcional baixa. Sua desvantagem é o desgaste com o decorrer dos anos e a reação do organismo aos micros fragmentos de plástico resultantes deste desgaste, que pode levar à soltura do implante.

Atualmente dispomos de um tipo especial de polietileno, chamado de cross-linked. Este é muito mais resistente e mais durável do que o polietileno tradicional, segundo evidências científicas já estabelecidas. Esta evolução na qualidade do material permitiu que a indicação deste tipo de superfície fosse ampliada para pacientes mais jovens e mais ativos.

2- Cerâmica-polietileno: é uma opção bastante interessante. A cerâmica tem uma afinidade maior com a água e permite uma melhor lubrificação e um menor desgaste do polietileno em longo prazo. Pode ser usada em combinação com o polietileno crosslinked, aumentando ainda mais sua longevidade. É uma ótima opção em paciente jovens praticantes de atividades físicas.

LEIA O NOSSO SITE E SAIBA MAIS: http://institutofuchs.com.br/category/blog/tratamentos/

O QUE É A CONDROMALÁCIA PATELAR?

Sente dores frequentes no joelho ou ouve alguns estalos na região?

Isso pode ser sinal de condromalácia patelar, doença que pode atingir esportistas profissionais, os atletas de final de semana ou mesmo quem trabalha fazendo muitos movimentos que sobrecarregam os membros inferiores.

A condromalácia patelar é o desgaste da cartilagem da patela por conta do atrito gerado no movimento. A patela é um osso que está ligada somente a tendões e músculos, por isso é importante ela estar centralizada, dessa forma a força exercida sobre a cartilagem será a mesma em todo o movimento.

Para saber se o incômodo se trata mesmo do distúrbio, é necessário fazer uma consulta com o ortopedista. No entanto, muitas pessoas têm os sintomas e não procuram um especialista por medo de ter de fazer cirurgias na região. O que elas não sabem é que o melhor é tratar o problema o quanto antes, de forma a não agravar o quadro.

As dores podem estar relacionadas a subir e descer escadas com frequência, agachar muito, ou outras atividades que movimentam os joelhos. As formas mais comuns de controlar essa patologia são: fisioterapias que reajustam o posicionamento da patela; uso de condroprotetores – fármacos de via oral que visam melhorar a sustentação da cartilagem –, hialuronato de sódio (substância que age como lubrificante das articulações), e viscossuplementação, que é um tipo de tratamento que garante a lubrificação da articulação da região afetada e promove a melhora da degeneração ou desgaste da cartilagem.

CONFIRA OS 4 PASSOS PARA A CIRURGIA DE PRÓTESE DE JOELHO

CONSULTA

A primeira etapa é a consulta com um médico cirurgião especialista em joelho. Nessa etapa será realizada a avaliação clínica e dos exames complementares para fazer o diagnóstico do problema (artrose, lesão de cartilagem, osteonecrose, etc). Após o diagnóstico, o tratamento mais indicado para cada caso é proposto ao paciente, e em muitos casos pode ser uma artroplastia total do joelho (prótese do joelho).

INTERNAÇÃO HOSPITALAR:
O tempo de internação hospitalar geralmente é de 2-3 dias, e o paciente recebe alta andando, com apoio parcial do membro operado com auxílio de 2 muletas ou andador. O tempo cirúrgico de prótese de joelho é de aproximadamente 90 minutos. A anestesia geralmente é raquidiana, associada à infiltração de medicações dentro do joelho para maior analgesia no pós-operatório imediato. Na maioria dos casos, o paciente fica com um dreno no joelho até a manhã seguinte à cirurgia, para diminuir o hematoma e a dor no pós-operatório imediato. A fisioterapia inicia no hospital, já no 1˚ dia após a cirurgia, para mobilização, treino de marcha e prevenção de trombose.

PRÉ-OPERATÓRIO:
A rotina pré-operatória inclui: exames de sangue, avaliação com um cardiologista e consulta pré-anestésica. Como na maioria dos casos de prótese do joelho os pacientes têm mais de 55 anos, outras avaliações podem ser necessárias dependendo das condições de saúde de cada paciente (vascular, infectologista, endócrinologista, nefrologista ou outros). Uma reunião pré-operatória na semana anterior ao procedimento também é realizada para orientações gerais sobre a cirurgia, medicações necessárias, prevenção de trombose (TVP) e detalhes sobre horários e internação hospitalar.
Neste dia também é feita uma avaliação com um fisioterapeuta para orientações sobre a fase inicial da fisioterapia e cuidados necessários nos primeiros dias após a cirurgia.

REABILITAÇÃO PÓS-OPERATÓRIA:

Após a alta hospitalar, a reabilitação com fisioterapia é iniciada já na primeira semana, geralmente no dia seguinte à alta, e deve ser realizada por 3 a 4 meses.
Dirigir está autorizado após a retirada das muletas ou do andador, geralmente com 4 semanas.
Atividades de trabalho sem grande demanda física podem recomeçar após 2 a 4 semanas após o procedimento.
O retorno gradativo às atividades físicas leves inicia no 4˚ mês após a cirurgia com trabalho de fortalecimento e alongamento muscular. Geralmente após 6 meses, as atividades físicas habituais de cada paciente são retomadas progressivamente.

O QUE É ARTROSE

A artrose no joelho é uma alteração degenerativa e inflamatória da articulação que provoca sinais

A artrose no joelho é uma alteração degenerativa e inflamatória da articulação que provoca sinais como:
1. Dor no joelho após esforços e alívio parcial com o repouso. Em uma fase mais avançada, as dores mesmo na cama em repouso podem atrapalhar o sono;
2. Perda do alinhamento da perna progressivo: o joelho “entorta”;
3. Rigidez ao se levantar da cama de manhã ou após longos períodos de repouso. Geralmente, passa após 30 minutos ou quando começam as atividades normais do dia-a-dia;
4. Presença de estalos ao movimento ou “crepitações”;
5. Inchaço e calor: geralmente na fase inflamatória;
6. Sensação de aumento de tamanho do joelho: devido ao crescimento dos ossos (osteófitos) ao redor do joelho;
7. Movimentos mais limitados: especialmente para dobrar e esticar o joelho totalmente;
8. Dificuldade em apoiar o membro inferior afetado;
9. Músculos da coxa mais fracos e mais atrofiados.

Em alguns pacientes é muito comum o acometimento de ambos os joelhos, porém os sintomas podem ser diferentes de um para o outro, e isso geralmente está relacionado ao grau de comprometimento de cada articulação.

Com o passar do tempo e evolução da artrose, as deformidades da articulação e dores vão aumentando, piorando a cada dia a qualidade de vida do paciente.

O tratamento da artrose do joelho pode ser clínico (conservador) ou cirúrgico dependendo do grau de acometimento, idade e atividade do paciente.

No tratamento clínico indicamos fisioterapia, hidroterapia, exercícios de baixo impacto, medicações analgésicas / antiinflamatórias / condroprotetoras e às vezes infiltrações com ácido hialurônico (viscossuplementação).

No tratamento cirúrgico pode ser indicada uma osteotomia (correção do eixo do joelho), artroplastia (prótese) total ou parcial do joelho.

Nós, do Instituto Fuchs – cirurgia do joelho e quadril, estamos prontos para atendê-los.
Ligue e marque uma consulta: (41)3026-6959 ou acesse www.institutofuchs.com.br e saiba mais sobre tratamentos para artrose do joelho.

O QUE É ARTROSE?

A artrose no joelho é uma alteração degenerativa e inflamatória da articulação que provoca sinais como:
1. Dor no joelho após esforços e alívio parcial com o repouso. Em uma fase mais avançada, as dores mesmo na cama em repouso podem atrapalhar o sono;
2. Perda do alinhamento da perna progressivo: o joelho “entorta”;
3. Rigidez ao se levantar da cama de manhã ou após longos períodos de repouso. Geralmente, passa após 30 minutos ou quando começam as atividades normais do dia-a-dia;
4. Presença de estalos ao movimento ou “crepitações”;
5. Inchaço e calor: geralmente na fase inflamatória;
6. Sensação de aumento de tamanho do joelho: devido ao crescimento dos ossos (osteófitos) ao redor do joelho;
7. Movimentos mais limitados: especialmente para dobrar e esticar o joelho totalmente;
8. Dificuldade em apoiar o membro inferior afetado;
9. Músculos da coxa mais fracos e mais atrofiados.

Em alguns pacientes é muito comum o acometimento de ambos os joelhos, porém os sintomas podem ser diferentes de um para o outro, e isso geralmente está relacionado ao grau de comprometimento de cada articulação.

Com o passar do tempo e evolução da artrose, as deformidades da articulação e dores vão aumentando, piorando a cada dia a qualidade de vida do paciente.

O tratamento da artrose do joelho pode ser clínico (conservador) ou cirúrgico dependendo do grau de acometimento, idade e atividade do paciente.

No tratamento clínico indicamos fisioterapia, hidroterapia, exercícios de baixo impacto, medicações analgésicas / antiinflamatórias / condroprotetoras e às vezes infiltrações com ácido hialurônico (viscossuplementação).

No tratamento cirúrgico pode ser indicada uma osteotomia (correção do eixo do joelho), artroplastia (prótese) total ou parcial do joelho.

Nós, do Instituto Fuchs – cirurgia do joelho e quadril, estamos prontos para atendê-los.
Ligue e marque uma consulta: (41)3026-6959

SAIBA QUAIS OS RESULTADOS E A DURABILIDADE DA ARTROPLASTIA DO JOELHO

A artroplastia (prótese) do joelho é uma cirurgia que substitui a superfície articular por uma prótese metálica e de polietileno.

Existem basicamente dois tipos de artroplastia do joelho, a total e a parcial (unicompartimental). Na artroplastia total do joelho, toda a superfície articular de carga é trocada. A substituição do componente patelar pode ser necessária em alguns casos. Na artroplastia unicompartimental do joelho, apenas o lado mais afetado da área de carga articular é substituído.�

Atualmente, a durabilidade média de uma artroplastia total do joelho é de 15 a 20 anos e as taxas de complicações são baixas. Estudos dos órgãos de saúde dos EUA mostram que em 2015 foram feitas 1 milhão de próteses de joelho no país, e que em 2030 serão realizadas 3,5 milhões de próteses de joelho.

De acordo com o Dr. Rogério Fuchs – especialista em cirurgia do joelho do Instituto Fuchs, é necessário que todas as etapas do tratamento cirúrgico sejam realizadas da melhor forma possível para a obtenção de resultados satisfatórios.

A indicação correta do procedimento por parte do médico é o primeiro passo. Em seguida uma completa avaliação pré-operatória do estado clínico geral do paciente é fundamental e reduz o risco de complicações. A cirurgia deve ser realizada por equipe bem treinada e capacitada.
A escolha de hospital adequado, com os padrões nacionais e internacionais de qualidade, também contribui para o sucesso da cirurgia.

Seguindo todos estes pré-requisitos a taxa de resultados satisfatórios para o paciente é de 90% a 95%, com grande alívio dos sintomas e melhora da qualidade de vida, que é o principal objetivo do tratamento destes pacientes.

Nós, do Instituto Fuchs – cirurgia do joelho e quadril, estamos prontos para atendê-los.
Ligue e marque uma consulta: (41)3026-6959

Endereço

Av. Sete de Setembro nº 6.496 Seminário - Curitiba/ Paraná
(41) 3026-6959
contatos@institutofuchs.com.br

Siga-nos em nossas Redes

Horários de Atendimento

De Segunda à Quinta-feira dás 9:00h - 19:00h
Sexta dás 8:00h ás 17:00h