Temas Atuais

FRATURA POR ESTRESSE NO JOELHO

 

Hoje vamos falar sobre um tema muito importante e que está chamando atenção por ter acontecido com o apresentador LUCIANO HUCK, a FRATURA POR ESTRESSE NO JOELHO.

O Dr. Rogério Fuchs, cirurgião do joelho, explica que a fratura por estresse que pode ocorrer no joelho geralmente é causada por sobrecarga ou esforço repetitivo, sendo mais comum em atletas, corredores ou militares.

Na população em geral a taxa é muito pequena (menor que 1%), porém pode chegar a 20% em atletas corredores.

No joelho, a tíbia é o osso mais acometido. A dor é o primeiro sintoma que aparece quando ocorre esta lesão, podendo também surgir inchaço no local”, explica Rogério Fuchs.

O paciente relata que a dor aumenta progressivamente, levando o atleta a interromper o exercício em muitos casos.

O diagnóstico é confirmado através de exames de imagem (Radiografias, Cintilografia, Tomografia e Ressonância).
Na maioria dos casos o tratamento é conservador, com a suspensão das atividades físicas de impacto durante 6 a 12 semanas, fisioterapia e analgésicos.
Em casos isolados, a fratura pode progredir tornando-se completa e com dificuldade de cicatrização, necessitando de tratamento cirúrgico.

APOSENTADORIA ANTECIPADA NA VIDA ESPORTIVA

 

O mais famoso tenista brasileiro, o catarinense Gustavo Kuerten, o Guga, que conquistou o Torneio de Roland Garros, em Paris, por três vezes (1997, 2000 e 2001), foi vítima de um problema no quadril que acabou antecipando sua aposentadoria: a lesão de labrum do quadril.

Guga foi considerado o maior tenista da história do Brasil e um dos maiores tenistas da história do tênis mundial. É o único tenista da história a ganhar de Pete Sampras e Andre Agassi – outros grandes tenistas mundiais – no mesmo torneio.

Mesmo com todo esse currículo, problemas no labrum tiraram Guga Kuerten das quadras. O labrum é uma espécie de cartilagem que envolve a articulação do quadril e que ajuda a dar estabilidade ao corpo, servindo como um amortecedor para os impactos aos quais o quadril é submetido, garantindo a flexibilidade e o movimento.

Dentro do labrum circula o líquido sinovial, que também é responsável pela lubrificação das articulações. Movimentos de flexão e rotação favorecem a ocorrência de lesões, que podem ser provenientes de traumatismos agudos ou repetitivos e ocasionam no vazamento do líquido com inflamação e liberação de substâncias que causam danos à cartilagem.

Guga Kuerten foi diagnosticado pela primeira vez em 2001. Sua terceira vitória em Roland Garros foi resistindo a intensas dores no quadril.

Outro famoso que já teve esse problema é o ator Cauã Reymond, que passou por cirurgia na época em que gravava a novela Passione.

Fique atento aos sintomas da lesão de labrum no quadril:
– Dor na virilha
– Estalido
– Sensaçao de falseio
– Limitação de movimento da articulação do quadril

JOELHO VALGO

 

O joelho valgo ficou popular graças ao personagem Kiko, do seriado Chaves, que tem as pernas tortas, em formato de “X” ou “tesoura”. Nesse caso, o problema contribui para deixar o personagem ainda mais divertido.

Entretanto, quem sofre do problema sabe que esse desalinhamento dos joelhos pode causar sérios danos ao funcionamento das articulações dos membros inferiores e da coluna.

Mais comum entre as mulheres, os joelhos são forçados “para dentro” e os pés se posicionam “para fora”, provocando o desalinhamento em formato de X. A descarga de peso na região lateral do joelho pode provocar o desenvolvimento de várias patologias, como dor femoropatelar, artrose, tendinites e lesões de cartilagem.

Geralmente o joelho valgo é uma característica anatômica fisiológica e não causa problemas. Nos casos de joelho valgo com desalinhamento do eixo do membro inferior e lesão de cartilagem associada, o procedimento cirúrgico pode ser necessário. A cirurgia pode ser uma osteotomia para corrigir o eixo nos pacientes mais jovens, ou uma artroplastia total do joelho nos casos mais avançados e nos idosos.

EM CAMPO GRANDE, THIAGO FUCHS PROFERE AULAS SOBRE QUADRIL

O Dr. Thiago Fuchs está em Campo Grande, neste sábado, aonde ministrou aulas sobre QUADRIL a convite da Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia (SBOT).

A ação faz parte do Programa de Educação Continuada sobre Quadril da SBOT

O cirurgião do joelho e do quadril, Thiago Fuchs, do Instituto Fuchs, deu aulas e coordenou discussões de casos clínicos no curso.

Entre os temas abordados pelo Dr. Thiago estão, o Impacto Femoroacetabular e a Artroscopia do Quadril.

XVII Congresso Brasileiro de Quadril

A atualização constante na área médica é fundamental para garantir aos pacientes tratamentos de ponta e, consequentemente, melhores resultados.

Esta é a visão do Dr. Thiago Fuchs, cirurgião especialista em joelho e quadril.

Neste feriado, ele está no Rio de Janeiro, participando do XVII Congresso Brasileiro de Quadril.

Confira 6 dos principais temas que serão abordados no congresso:

1- Medidas para melhorar os resultados na artroplastia do quadril
2- Artroplastia do quadril em pacientes jovens
3- Atividade física após artroplastia total do quadril
4- Infecção em artroplastia do quadril
5 – Artroscopia do quadril
6 – Lesões esportivas no quadril
7 – Revisão de artroplastia do quadril

BURSITE NO QUADRIL

Sabe aquela dor chata na lateral do quadril ou da coxa, que incomoda e atrapalha as tarefas cotidianas?

Se você tem sintomas como dor localizada nessa região, dificuldade de dormir de lado, rigidez na articulação do quadril ou sensibilidade excessiva ao toque na região, é importante fazer uma avaliação com um médico ortopedista. Pode ser a bursite de quadril – ou bursite trocantérica, como é conhecida tecnicamente – um problema muito comum, principalmente entre as mulheres de 40 a 60 anos.

A dor ocorre por causa da inflamação da bursa, que é uma “bolsa” localizada entre os músculos, tendões e ossos do quadril, em locais de atrito contra o osso, com o papel de amortecer e proteger os tendões. A bursite é a inflamação dessa bolsa, que pode ser provocada por esforços repetitivos, traumas, infecções, artrites, sobrecarga nos tendões e falta de alongamento muscular.

O diagnóstico é clínico – através da história e exame físico realizado no consultório, e muitas vezes complementado por exames de imagem, que confirmam o diagnóstico e ajudam excluir outras causas dos sintomas. É comum a bursite estar associada a outros problemas, como doença na coluna lombar, artrose no joelho e no quadril.

O tratamento é conservador na maioria dos casos, com medicações anti-inflamatórias e trabalho muscular para reequilíbrio da musculatura envolvida. Algumas vezes é necessária a infiltração de corticoide local. Geralmente observamos bons resultados com 6 meses de tratamento.

MUSCULAÇÃO x JOELHO

Vocês sabiam que a prática de alguma atividade física é importante e recomendada inclusive pela Organização Mundial de Saúde (OMS) para melhorar a qualidade de vida e a saúde da população em geral?

O número de pessoas adeptas da prática esportiva é cada vez maior, mas nem sempre esses praticantes recebem todas as orientações necessárias na hora de executar cada exercício e isso pode comprometer a performance e desenvolver lesões.

As causas e os tipos de lesões no joelho são diversos, mas quando associadas a insuficiência muscular podem levar a uma sobrecarga muito grande na cartilagem, tendões e demais estruturas articulares, ultrapassando os limites fisiológicos, podendo levar a lesões irreversíveis.

Outro fator importante é a angulação em que o joelho é submetido durante o treino. Equipamentos como o legpress, que trabalha o joelho, tornozelo e quadril simultaneamente, pode levar a lesão dependendo do ângulo utilizado. Exercícios de agachamento também podem impor uma pressão excessiva na cartilagem articular do joelho e podem causar lesões.

Flexão do joelho maior que 90 graus e extensão completa durante exercícios com carga devem ser evitados.
Por isso, o acompanhamento de um profissional do exercício (educador físico / fisioterapeuta) é de suma importância para quem quer manter a saúde e garantir qualidade de vida no futuro.

TENDINITE NA PISTA

Lesões por movimentos repetitivos nos membros inferiores são, infelizmente, muito comuns entre corredores.

Isso porque a corrida é considerada uma atividade física do tipo cíclica, com a repetição constante de movimentos similares, o que predispõe o praticante a processos inflamatórios por sobrecarga excessiva e por esforço repetitivo.

Um exemplo disso é a tendinite, um processo inflamatório nos tendões (estruturas que unem os músculos aos ossos do corpo), marcado principalmente pela dor local, geralmente próxima à articulação, e algumas vezes com inchaço e sinais inflamatórios.

As principais causas da tendinite estão relacionadas à falta de aquecimento e alongamento, excesso de carga, sobrepeso, falta de preparação e de força muscular, pouca hidratação, uso excessivo dos músculos, tempo de descanso insuficiente entre os treinos e exercícios realizados de forma incorreta.

Entre os corredores, a maioria dessas lesões acontecem nas articulações de membros inferiores, principalmente no tendão patelar e quadriciptal (músculos anteriores da coxa), tendão calcâneo (músculos da panturrilha), tendão do tibial anterior (músculo da parte anterior da perna), tendão do glúteo médio (músculo póstero-lateral do quadril) e síndrome da banda iliotibial (na lateral do quadril e coxa).

Se você identificou algum destes sintomas, é importante realizar uma avaliação com um ortopedista para verificar o que está acontecendo, realizar o tratamento adequado e evitar que a tendinite evolua, e se torne um problema crônico, mais grave e de tratamento mais complexo.

Ligue no Instituto Fuchs e marque uma consulta!

No dia Nacional da Saúde especialista alerta sobre dor no quadril do jovem

 

Na data em que é comemorado o Dia Nacional da Saúde (05 de agosto) o Instituto Fuchs alerta para um problema que atinge 5% da população: dor no quadril.

Uma das razões para dores no quadril do jovem é a lesão numa estrutura chamada lábio (ou labrum) do acetábulo. Essa patologia leva a queixas principalmente na região da virilha e profunda do quadril, e muitas vezes limita a pessoa em suas atividades, especialmente na prática esportiva.

Alguns pacientes com lesão do labrum apresentam estalos ou clicks no quadril, e às vezes, sensação de deslocamento.

O labrum – estrutura fibrocartilaginosa que funciona como uma válvula no quadril é responsável por promover um melhor encaixe entre os ossos que compõem essa articulação (cabeça do fêmur e acetábulo).

“O labrum é fundamental para o movimento saudável. Suas principais funções são a vedação da articulação, aumento da estabilidade do quadril, lubrificação e absorção de impacto”, explica o ortopedista e especialista em cirurgia do quadril, Thiago Fuchs.

Segundo ele, a lesão do labrum pode ser considerada como um fator de risco para degeneração do quadril. “As lesões do labrum são reconhecidas como uma fonte de dor e desconforto no quadril no esporte”, completa Thiago.

Ele explica que se o labrum estiver danificado, o estresse entre os ossos do quadril aumenta consideravelmente, com dados mostrando uma piora na sobrecarga em até 92%. Tal estresse pode, a longo prazo, provocar um desgaste mais grave na articulação, levando à artrose.

 

TIPOS DE LESÃO – Existem dois tipos de lesão do labrum no quadril: degenerativa e traumática. A degenerativa é uma lesão crônica que ocorre como resultado de uso e atividade repetitiva. “É o tipo de lesão mais frequente e quase sempre está relacionada ao impacto femoroacetabular”, comenta Thiago.

 

Uma lesão traumática é geralmente aguda, resultado de uma lesão esportiva, queda ou acidente. Está associada com manobras bruscas de torção, comum no tênis e futebol, que causam dor imediata no quadril.

 

TRATAMENTO – As estatísticas mostram que 95% das pessoas que sofreram lesão do labrum relacionada ao impacto femoroacetabular conseguem retornar às suas atividades esportivas após o tratamento adequado.

De acordo com o cirurgião do quadril, Dr. Thiago Fuchs, do Instituto Fuchs, pacientes que apresentam dores no quadril devem procurar um especialista. “Quanto mais rápido for feito o diagnóstico, melhor será o prognóstico”, alertou Thiago.

O tratamento para essa lesão começa com um diagnóstico clínico preciso e exames de imagem específicos. A partir dessas informações será decidida a necessidade de uma cirurgia para reparar o lábio lesionado e tratar a causa do problema, geralmente o impacto femoroacetabular. “O tratamento do impacto femoroacetabular com lesão do labrum, sintomático, nos pacientes jovens é cirúrgico na maioria dos casos”, explica Thiago Fuchs.

Entre as possibilidades de tratamento cirúrgico, com baixa taxa de complicação – entre 1% e 5% – e excelentes resultados no tratamento de lesões no quadril está a artroscopia, técnica cirúrgica para tratamento de lesões dentro e ao redor das articulações. No procedimento uma câmera de vídeo e instrumentos específicos são introduzidos na articulação por pequenas incisões na pele de aproximadamente 1 centímetro.

Nos casos de tratamento conservador, e também após a cirurgia, a reabilitação com fisioterapia é muito importante para melhorar o movimento do quadril, estabilizar a articulação, fortalecer a musculatura, diminuir o estresse na região e permitir o retorno do paciente ao esporte.

 

CASO DE SUCESSO – O empresário Bruno Bewalski, de 31 anos, sentia fortes dores no quadril que passaram a limitar a prática de esportes. Após passar por uma artroscopia de quadril, realizada pelo Dr.Thiago Fuchs há cerca de dois anos, a sua rotina mudou completamente. “Hoje não tenho mais nenhuma limitação. Após a recuperação da cirurgia e reabilitação com fisioterapia voltei a surfar e estou super bem”, conta Bruno.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

ESTALOS NAS ARTICULAÇÕES

 

Estalos nas articulações são muito frequentes. Cada articulação tem suas particularidades, e o quadril pode apresentar esse sinal frequentemente.

Existem várias causas para estalos no quadril que podem representar um problema, mas é muito importante saber que na maioria das vezes, este sinal está relacionado à fisiologia normal do movimento da articulação.

As causas mais comuns de estalo no quadril são a lesão do labrum, o ressalto externo e interno. O atrito do trato iliotibial no trocânter maior no quadril é a causa do ressalto externo (Coxa Saltans). O deslocamento do tendão do psoas sobre o acetábulo é a principal causa do ressalto interno do quadril. A lesão do labrum geralmente causa um estalo doloroso ou uma sensação de desencaixe na articulação.

Se você tem um estalo no quadril que causa desconforto ou dor, é importante fazer uma avaliação com um especialista para buscar a diagnóstico e tratamento adequado para cada caso.

SAIBA MAIS EM NOSSO SITE: www.institutofuchs.com.br

Endereço

Av. Sete de Setembro nº 6.496 Seminário - Curitiba/ Paraná
(41) 3026-6959
contatos@institutofuchs.com.br

Siga-nos em nossas Redes

Horários de Atendimento

De Segunda à Quinta-feira dás 9:00h - 19:00h
Sexta dás 8:00h ás 17:00h