Médicos do joelho e quadril realizam cirurgias mais eficazes com o uso de impressora 3D

Dr Rogério Fuchs com joelho em 3D

Uma nova técnica está tornando as cirurgias de joelho e quadril muito mais precisas e eficazes. Trata-se do uso de protótipos de ossos confeccionados em impressoras 3D que permitem o planejamento prévio de uma cirurgia.

Para criar uma cópia de plástico da estrutura óssea do joelho de um paciente, por exemplo, são utilizadas como base imagens de ressonância magnética ou tomografia computadorizada da articulação, de modo que a cópia saia com o tamanho e as características idênticas ao original.

Esta técnica que é capaz de reproduzir os ossos do esqueleto humano já é utilizada há mais de um ano pelo ortopedista e cirurgião especialista em joelho, Rogério Fuchs, do Instituto Fuchs.

“A impressão dos ossos em 3D nos dá uma ideia real daquilo que vamos encontrar durante a cirurgia, permitindo o planejamento prévio de cada caso”, explica o médico Rogério Fuchs, que há mais de 30 anos realiza cirurgias do joelho, em Curitiba.

Como funciona – O princípio da impressora 3D é o mesmo da impressora convencional. No entanto, no lugar da tinta, é colocado na impressora 3D um pó, gel ou filamento de metal ou de plástico, que, em vez de letras, imprime camada por camada peças tridimensionais como joelhos, ombros ou quadris.

“A técnica permite uma personalização sem precedentes na medicina. É uma revolução para o planejamento, para o diagnóstico e também sob o aspecto terapêutico”, relata Rogério Fuchs.  “Isso porque o molde nos permite prever a real dificuldade que teremos na cirurgia, e também avaliar previamente se os materiais existentes no mercado serão suficientes e adequados para aquele caso ou se teremos que mandar confeccionar um implante específico, exatamente de acordo com a necessidade daquele paciente”, completou o cirurgião do joelho.

Exemplo – Há cerca de um ano, o Dr. Rogério Fuchs atendeu uma paciente que apresentava deformidades nos joelhos desde o nascimento, já tendo passado por outras 15 cirurgias.

“Para estudar este caso complexo, fizemos um protótipo do joelho da paciente em 3D e entramos na cirurgia com dois tipos de materiais, sendo que um deles foi perfeito para aquela paciente que hoje está muito bem”, relata Dr. Fuchs.

Segundo ele, o benefício deste tipo de tecnologia é que ele permite programar a escolha dos melhores materiais disponíveis no mercado, de acordo com cada caso.

“Além disso, o molde ajuda a reduzir o tempo de cirurgia e garante melhores resultados, já que ele permite uma simulação prévia da cirurgia”, completou Rogério Fuchs.

Avanço – O Instituto Nacional de Saúde dos Estados Unidos (NIH, na sigla em inglês) lançou um site dedicado ao compartilhamento de arquivos para impressão em 3D, relacionados à saúde e à ciência, como peças de laboratório e modelos anatômicos humanos.