Praticantes de vôlei devem redobrar os cuidados com joelho e quadril

 

O Brasil, e em especial Curitiba, está novamente sediando um grande evento esportivo que atrai os olhares de todo o mundo, com a disputa da fase final da Liga Mundial de Vôlei Masculino, que começou na última terça-feira (4), na Arena da Baixada, e prossegue até sábado (8). Atletas profissionais e amadores de voleibol, porém, precisam redobrar alguns cuidados para evitar lesões decorrentes do esporte e que atingem principalmente as regiões do quadril e do joelho.

O ortopedista Thiago Fuchs, especialista em cirurgia do quadril, do Instituto Fuchs, explica que durante uma partida de vôlei, existem dois momentos em que o atleta está “mais vulnerável” a esses problemas: na hora da impulsão para saltar e depois, no movimento contrário, de aterrissagem.

Na primeira situação, de impulsão, o ortopedista explica que ocorre uma grande contração da musculatura para impulsionar o esportista a saltar. Posteriormente, na hora da aterrissagem, os músculos precisam amortecer o impacto do corpo com o solo. “O quadril pode sofrer lesões em qualquer uma dessas fases. Já com os joelhos, as lesões são mais frequentes no momento de aterrissagem, na hora do impacto do corpo com o solo”, comenta Thiago.

Para o ortopedista e cirurgião especialista em joelho, Rogério Fuchs, os atletas de finais de semana não precisam abrir mão dessa atividade por medo de se machucar. “A atividade física está diretamente ligada à saúde física e emocional e nisso estão inclusos esse tipo de passatempo. Só que as atividades que não são praticadas com regularidade precisam de ainda mais cuidado e orientação para evitar danos ao organismo como um todo. Ter uma musculatura fortalecida e alongada, realizar os movimentos seguindo as técnicas corretas e com orientação profissional, de preferência, podem evitar lesões por sobrecarga nas articulações”, salienta o médico.