Fortalecimento da muscular é uma das maneiras de evitar a artrose do joelho

Jogging injury.

O fortalecimento muscular é uma das maneiras de evitar artrose ou osteoartrite – doença inflamatória e degenerativa que ataca as articulações, e promove o desgaste da cartilagem que recobre as extremidades dos ossos, causando dor, restrição de movimento, e podendo levar a deformidades.

As articulações mais acometidas pela artrose são as que suportam peso, como coluna vertebral, o quadril e o joelho.

“Estudos sobre a artrose no esporte indicam que a obesidadesedentarismo e fraqueza muscular aumentam as chances de uma pessoa desenvolver a artrose”, conta o ortopedista e especialista em cirurgia do joelho e idealizador do Instituto Fuchs, Rogério Fuchs.

Na artrose, a membrana sinovial passa a aumentar a produção do líquido sinovial com menor capacidade lubrificante, que agrava ainda mais o desgaste.  Quando os ossos estão sem a proteção da cartilagem, o atrito entre eles gera dor, inchaço e limitação funcional. Ela pode se manifestar em qualquer articulação, mas é mais comum nas mãos, coluna, joelho e quadril. A doença irá piorar de forma progressiva, é irreversível, e não tem cura clínica até os dias atuais.

Rogério Fuchs, faz um alerta de como as pessoas podem se proteger da artrose: “Há componentes genéticos na causa do problema, por isso, quem tem histórico familiar deve ficar atento. A artrose pode se manifestar precocemente e é classificada como um processo degenerativo e inflamatório”, completa o especialista em cirurgia do joelho, Rogério Fuchs.

Segundo ele, os tratamentos clínicos podem retardar a progressão da doença – alguns medicamentos têm essa proposta, apesar de haver controvérsias quanto ao resultado. A maioria dos pacientes sentem alívio da dor e melhorara da função articular por um determinado período. Estes medicamentos são chamados de “condroprotetores”. Existem duas formas usá-los, via oral (glicosamina-condroitina e colágeno) ou intra-articular por infiltração (ácido hialurônico e corticóide). Os resultados são melhores quando se acrescentam os exercícios físicos bem orientados.

“A reabilitação para aumentar a força muscular e a flexibilidade também ajudam a reduzir a dor e a rigidez. Já os exercícios aeróbicos melhoram a saúde do coração e permitem que os músculos trabalhem de forma mais eficiente. Além de exercícios individualizados, as pessoas podem praticar atividades como natação, ciclismo e Pilates”, diz o cirurgião especialista em joelho, Rogério Fuchs.

Sintomas – A dor no joelho geralmente é o primeiro sintoma da artrose. Essa dor é de caráter progressivo. Acentua-se com a atividade física (degraus, subida e descida de escadas, esportes de contato e movimentos repetitivos) e é diretamente proporcional ao excesso de peso.  Com o passar do tempo, o joelho passa a apresentar deformidade, ou seja, desvio do seu eixo normal.

“No início dos sintomas, o repouso é uma forma de alívio da dor. Muitas pessoas com artrose tornam-se menos ativas por causa da dor e do medo de causar mais danos. Isso pode, infelizmente, levar a músculos cada vez mais fracos, o que agrava ainda mais os sintomas da doença”, explica Rogério Fuchs.

Tratamento – Um dos tratamentos possíveis e indicados para a artrose no joelho quando o tratamento clínico não é mais eficaz, é a artroplastia (prótese) do joelho – cirurgia que substitui a superfície articular por uma prótese metálica e de polietileno. Esta cirurgia é geralmente indicada em pacientes acima de 60 anos, nos casos mais avançados de artrose do joelho, com dor e limitação nas atividades   da vida diária.
“A taxa de resultados satisfatórios para o paciente é de aproximadamente 90% a 95% dos casos, com grande alívio dos sintomas, melhorando a qualidade de vida. A durabilidade média de uma artroplastia total do joelho é de 15 a 20 anos”, finaliza Rogério Fuchs.