Thiago Fuchs

Cirurgião explica lesão que levou tenista britânico a anunciar aposentadoria

O tenista britânico Andy Murray, um dos melhores atletas do esporte segundo a Associação de Tenistas Profissionais (ATP), com 45 títulos, entre eles duas medalhas de ouro nos Jogos Olímpicos, surpreendeu o mundo na última semana ao anunciar sua aposentadoria aos 31 anos.

O anúncio foi dado durante coletiva com a imprensa, no media day do primeiro Grand Slam do ano, o Australian Open. Murray disse que as dores frequentes e intensas no quadril, que o incomodam há 20 meses, são o motivo para a aposentadoria precoce.

“Estou lutando a muito tempo. Não tenho certeza se posso suportar a dor por mais quatro ou cinco meses”, disse. “Praticamente fiz tudo o que pude para tentar melhorar meu quadril e isso não ajudou muito. Acho que há uma chance de que o Australian Open seja meu último torneio”, finalizou Murray.

Histórico – Murray possui uma lesão no quadril direito que foi acompanhada, desde 2007, com tratamento conservador, focado em fortalecimento muscular e medicações. O problema, no entanto, foi se agravando com o passar do tempo e o atleta foi submetido a uma artroscopia do quadril no último ano.

Segundo o médico ortopedista especialista em cirurgia do quadril, Dr. Thiago Fuchs, Murray sofre do mesmo problema que acometeu o ex-tenista brasileiro Gustavo Kuerten, o Guga, há alguns anos, e que também o levou para fora das quadras: o desgaste na cartilagem do quadril causado pelo impacto femoroacetabular (IFA).

“Sabe-se que ele tinha impacto femoroacetabular – uma deformidade anatômica em que ocorre um contato anormal dos ossos do quadril, principalmente nos movimentos de flexão e rotação. Esse contato anormal acaba gerando uma lesão de labrum e na cartilagem articular”, explica Fuchs.

 

Ainda segundo Thiago Fuchs, a artroscopia do quadril do tenista britânico não teve o resultado esperado devido ao desgaste avançado na cartilagem articular, comum em atletas de alto rendimento, e a demora em realizar o procedimento cirúrgico.

“O resultado positivo da cirurgia preservadora está relacionada com a condição da cartilagem articular, que possui capacidade de regeneração praticamente nulo. A cartilagem articular não tem vascularização e se não recebe sangue, ela não consegue se regenerar adequadamente”, explica. “Pacientes com lesão de labrum ou impacto femoroacetabular com cartilagem boa e preservada têm excelentes resultados com o tratamento cirúrgico”, garante o especialista, frisando que o sucesso da cirurgia está relacionado também com o diagnóstico e tratamento adequado precocemente.

Australian Open

Durante a manhã desta segunda-feira (14), o atleta fez a alegria da torcida presente na Melbourne Arena, mas acabou derrotado pelo espanhol Roberto Bautista Agut por por 6/4, 6/4, 6/7(5), 6/7(4) e 6/2 após 4h09 de partida, e encerrou sua participação no torneio.

Artroplastia de Guga

Aposentado em 2008, Guga, que já havia feito dois procedimentos no quadril, o primeiro em fevereiro de 2002 e a outro em setembro de 2004, recorreu a uma artroplastia – uma prótese – no quadril direito para solucionar a lesão e as dores que o acompanhavam desde 2001.

Em entrevista ao UOL, o maior tenista brasileiro da história, admitiu a semelhança dos casos e disse que acredita que o britânico tem melhores chances de recuperação com os procedimentos atuais e mais modernos.

VÍDEO: Dicas para evitar desconfortos do quadril e joelho em viagens

As férias estão chegando!

O Dr. Thiago Fuchs separou algumas dicas para que você torne sua viagem, seja de carro, ônibus ou de avião, mais confortável e segura para sua saúde.

Confira:

Lesão de labrum e opções de tratamento

Quem procura o Instituto Fuchs?

Principais problemas no quadril do atleta

Hoje vamos falar sobre as causas mais comuns de dor no quadril que, na maioria da população em geral, incluem artrose, bursite, dores musculares e compressão nervosa.

Instituto Fuchs é referência no tratamento de artrose do quadril em Curitiba

Instituto Fuchs é referência no tratamento de artrose do quadril em Curitiba

Artroplastia total do quadril devolve qualidade de vida

Você sabia que a durabilidade média de uma artroplastia total do joelho é de 15 a 20 anos?

A prótese do joelho geralmente é indicada para pacientes acima de 60 anos, nos casos mais avançados de artrose do joelho, com dor e limitação nas atividades da vida diária, e que buscam qualidade de vida. Em casos especiais também podem ser realizadas em pacientes mais jovens (abaixo dos 60 anos).

A artroplastia do joelho é uma cirurgia que substitui a superfície articular por uma prótese metálica e de polietileno. A taxa de bom resultado é de aproximadamente 90% a 95% dos casos.

Existem basicamente dois tipos de artroplastia do joelho, a total e a unicompartimental. Na artroplastia total do joelho, toda a superfície articular femorotibial é trocada, e a patela somente quando necessário. Na artroplastia unicompartimental do joelho, apenas o lado afetado (interno ou externo) da articulação é substituído.

Para saber mais, marque uma consulta! O Instituto Fuchs está na Ortopedia Sete (Av. Sete de Setembro, 6496 – Curitiba – Telefone: 41 3026-6959) e na Artro Clínica de Ortopedia (Av. Vicente Machado, 2439 – Curitiba – Telefone: 41 3340-5500).

Gostou? Continue acompanhando as nossas atualizações também no Instagram: @instituto_fuchs

Dia Mundial da Osteoporose

Hoje é Dia Mundial da Osteoporose. A data especial serve para alertar a sociedade para a doença que atinge mais de 10 milhões de brasileiros, segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS).

A osteoporose é uma doença silenciosa, uma vez que o enfraquecimento da massa óssea ocorre de forma progressiva ao longo dos anos. O diagnóstico envolve consulta com especialistas e exames de imagem, como a densitometria óssea que mede a densidade mineral dos ossos.

Segundo a Fundação Internacional de Osteoporose (IOF), um terço das fraturas causadas pela doença são no quadril. A incidência da doença pode variar de 14% a 29% em mulheres acima de 50 anos de idade, e chegar até 73% em mulheres acima de 80 anos. Em mulheres acima de 50 anos, o risco de fratura do colo do fêmur é de 17,5% e da coluna é de 16%. A presença de uma fratura na coluna dobra o risco de fraturas na coluna vertebral no futuro.

PREVENÇÃO

O melhor tratamento é a prevenção, que envolve o consumo de alimentos e suplementos ricos em cálcio e vitamina D, uma exposição adequada ao Sol e atividades físicas.

O Instituto Fuchs é especialista no atendimento de pacientes que sofrem com problemas no quadril e no joelho. Entre em contato conosco e agende uma consulta! Estamos na Ortopedia Sete (Av. Sete de Setembro, 6496 – Curitiba – Telefone: 41 3026-6959) e na Artro Clínica de Ortopedia (Av. Vicente Machado, 2439 – Curitiba – Telefone: 3340-5500).

Atividade física intensa e sem acompanhamento pode causar lesões no quadril, alerta ortopedista

As dores no quadril são comuns a partir da quinta década de vida, quase sempre relacionadas às inflamações-bursite e ao desgaste da articulação – a artrose, mas a prática de exercícios físicos de alto impacto e sem orientação adequada está levando pacientes para consultórios de ortopedistas cada vez mais cedo.

É o que explica o médico ortopedista especialista em cirurgia do quadril e do joelho, Dr. Thiago Fuchs.

“Alguns exercícios podem machucar a articulação. Principalmente os exercícios de alto impacto ou com grande amplitude de movimento, como agachamento completo por exemplo. Correr é muito bom. Mas corridas longas por muito tempo, sem preparação muscular, podem levar ao desgaste da articulação”, explica Fuchs.

Ainda de acordo com o ortopedista, os atletas profissionais de todas as áreas apresentam lesões precoces devido a carga e intensidade das atividades. “Os treinos são muito exaustivos e a carreira é curta porque o corpo sofre”, comenta.

Impacto femoroacetabular (IFA) – O Impacto Femoroacetabular (IFA) é o nome que se dá ao contato anormal entre os ossos do quadril durante movimentos. Esse impacto entre as estruturas que compõem o quadril (colo do fêmur e o osso acetábulo) gera o comprometimento de toda a biomecânica dessa articulação, lesão do labrum e da cartilagem articular.

“Uma pesquisa da Mayo Clinic aponta que o paciente com Impacto Femoroacetebular (IFA) sintomático em 15 anos tem risco de 70% de chances de precisar de uma prótese do quadril”, afirma Fuchs.

A dor geralmente é na virilha e profunda. Alguns pacientes apresentam sintomas de dor ou desconforto no joelho, púbis, articulação sacroilíaca e coluna como consequência da doença no quadril.

A dor é a principal queixa, em geral relacionada com atividades físicas e com movimentos de flexão-rotação do quadril. Outras queixas incluem falta de mobilidade, travamentos e estalidos no quadril.

Preservação do quadril – O especialista orienta que a prevenção dos fatores de risco é a melhor forma de evitar os problemas. Para isso, o ortopedista explica que a manutenção do peso ideal, o fortalecimento da musculatura abdutora, responsável por abrir a perna e dar sustentação ao quadril, e dos músculos do CORE, o centro de gravidade do corpo, são fundamentais para preservação da saúde do quadril.

“Fortalecer sempre a musculatura do CORE, que envolve o abdome, lombar, glúteos e parte anterior da coxa, preserva a articulação e distribui a carga do peso do corpo. Caminhada, bicicleta e natação são exercícios aeróbicos de baixo impacto muito bons para preservar o movimento do quadril”, garante Fuchs.

 

Ortopedistas alertam sobre lesões no joelho causadas por amplitude exagerada na musculação

O público de academias que busca saúde, bem-estar e ganho de massa muscular por meio da musculação tem crescido nos últimos anos. Sem orientação especializada, os riscos do desenvolvimento de lesões é grande, principalmente na articulação do joelho.

Segundo o médico ortopedista especialista em joelho, Rogério Fuchs, a prática incorreta de exercícios de musculação como agachamentos, extensor, leg press, entre outros, pode sobrecarregar a articulação dos joelhos precocemente.

“A primeira coisa para evitar uma lesão é fazer exercício da maneira correta. Isso envolve alimentação adequada, tempo de repouso, orientação com relação a técnica do exercício e respeitar os limites do corpo”, frisa Rogério.

Habitualmente, o joelho suporta carga de duas a três vezes o peso do próprio corpo. Quando a amplitude do movimento passa dos 90°, a carga é multiplicada por cinco a sete vezes.

“A gente sabe que atividade com extrema carga com o joelho dobrado mais que 90° machuca o joelho. Imagine um agachamento com carga de 100 quilos, quando você passa dos 90° são 500 a 700 quilos a cada movimento”, explica o médico ortopedista especialista em joelho e quadril, Thiago Fuchs.

Instituto Fuchs “Live”

O Instituto Fuchs atua no tratamento do joelho e do quadril e promove mensalmente discussões sobre temas relacionados ao assunto, por meio de transmissão ao vivo pelo Facebook. Durante a “live”, os ortopedistas respondem dúvidas e questionamentos do público com o objetivo de compartilhar conhecimento científico de qualidade com a população.

Endereço

Av. Sete de Setembro nº 6.496 Seminário - Curitiba/ Paraná
(41) 3026-6959
contatos@institutofuchs.com.br

Siga-nos em nossas Redes

Horários de Atendimento

De Segunda à Quinta-feira dás 9:00h - 19:00h
Sexta dás 8:00h ás 17:00h