Realinhamento distal da patela

Chefe do capítulo 
Rogério Fuchs 
Colaborador do capítulo 
Thiago Fuchs

INTRODUÇÃO

A patologia fêmoropatelar é a mais freqüente patologia ao nível do joelho de adolescentes ou adultos jovens, sendo muito fácil reconhecê-la clinicamente; porém é bastante controversa no plano fisiopatológico e na conduta terapêutica.
Inicialmente devemos fazer uma análise das lesões cartilaginosas da patela. Estas lesões sempre existiram sendo chamadas de condromalácea, porém foram mais bem avaliadas com o advento da artroscopia. Podem ser lesões fechadas na forma edematosa ou abertas com fissuras mais ou menos profundas até abrasão da cartilagem. Elas estão localizadas na faceta medial, crista ou faceta lateral da patela onde são claramente patológicas.
Na prática diária observamos que não existe paralelismo entre estas lesões e a sintomatologia clínica. Em diversas ocasiões evidenciamos lesões extensas que não apresentam nenhum sintoma ao paciente como, por exemplo, quando operamos pacientes com lesão meniscal ou ligamentar e noutras situações onde temos queixas de dores importantes fêmoropatelares sem qualquer alteração na cartilagem. Devemos então ter muito cuidado no tratamento destas lesões, levando-se em conta mais os achados clínicos do que os achados artroscópicos, uma vez que as alterações mais importantes são conseqüências de alguma alteração mecânica na articulação fêmoropatelar.
A seguir devemos definir os conceitos de instabilidade patelar. Na análise clínica das queixas fêmoropatelares deve-se verificar se existe ou existiu alguma luxação da patela ou se o paciente nunca apresentou qualquer episódio de luxação. Isto nos parece de vital importância, pois poderemos então dividir estas patologias em dois grupos bastante distintos, onde teremos as instabilidades objetivas (IPO) quando a patela está luxada ou luxou pelo menos uma vez com caracteres morfológicos bem definidos chamados de “displasia luxante da patela”, e as instabilidades subjetivas onde não podemos definir se a patela é realmente instável do ponto de vista clínico com predominância das queixas dolorosas e quando não apresentam nenhum sinal evidente da “displasia luxante” são chamadas de Síndrome fêmoropatelar dolorosa (SFPD) ou Dor anterior ao joelho.
Podemos dizer que a instabilidade é funcional, quando o joelho “falta/desloca” durante a marcha, corrida ou descer escadas. São sintomas descritos pelo paciente, porém sem tradução clínica evidente. A instabilidade pode ser mecânica, quando a patela se articula de modo anormal com a tróclea femoral, onde observamos sinais evidentes de luxação no exame clínico e não somente os sintomas relatados pelo paciente.

ETIOLOGIA

As instabilidades patelares apresentam alguns caracteres que nos levam a acreditar que são afecções congênitas ou genéticas.
Os primeiros sintomas podem surgir em qualquer idade, mas na maioria dos casos aparecem nas crianças ou adolescentes entre 10 e 18 anos. Existe também alguma relação familiar em torno de 15% dos casos. Podem ser bilaterais em 40% dos pacientes com anomalias características, porém com um lado mais sintomático que o outro.
As formas mais graves (luxação habitual / luxação permanente) se manifestam mais precocemente entre 5 e 10 anos,  com mais freqüência nos meninos.
As instabilidades mais freqüentes (uma ou algumas luxações ocasionais da patela) aparecem mais na adolescência com maior incidência nas meninas (75% dos casos).
O início dos sintomas surge normalmente durante algum trauma de menor ou maior intensidade no esporte, queda/salto ou dança forçando valgo com  rotação externa da perna. Este trauma pode ocasionar algum tipo de lesão osteocondral com seus possíveis problemas secundários. Nós identificamos sempre as anomalias características da “displasia luxante”, onde o trauma teve o papel de mostrar um problema existente, porém que estava latente.

DIAGNÓSTICO

Na avaliação das queixas fêmoropatelares, dividimos os pacientes em dois grupos:
= “Displasia luxante da patela” com suas formas clínicas: maior, objetiva e potencial;
= Síndrome fêmoropatelar dolorosa ou Dor anterior ao joelho.
Nas instabilidades patelares maiores (IPM), nós observamos que a patela encontra-se luxada ou luxa em todo movimento de flexão do joelho. Nas instabilidades patelares objetivas (IPO) o paciente relata um ou mais episódios de luxação. Nas instabilidades patelares potenciais (IPP) as queixas são menores com algum episódio de instabilidade, porém impreciso e de difícil definição. Nas síndromes fêmoropatelares dolorosas (SFPD)   não identificamos nenhuma alteração morfológica e nenhum episódio de luxação, com queixas predominantemente dolorosas.
Nós observamos diversos fatores anatômicos que explicam a biomecânica das instabilidades patelares, sendo chamados de: fundamentais, principais e secundários.
O fator fundamental e constante nas instabilidades é a displasia da tróclea femoral que está presente em 97% dos casos de luxação recidivante.
Os fatores principais que também podem levar à instabilidade são: altura da patela, TA-GT excessiva e displasia do quadríceps que é expressa pela inclinação lateral da patela com joelho em extensão. Estes fatores podem ser mensurados pelos exames de imagem. Tanto o fator fundamental, como os principais podem estar presentes em conjunto ou isoladamente nas instabilidades, porém nas formas mais graves é comum verificarmos a associação entre estes fatores.
Os fatores secundários são mais freqüentes nos portadores de instabilidade patelar do que nos grupos controles, porém não são específicos desta patologia, podendo ser encontrados com valores excessivos em alguns pacientes sem qualquer sinal de instabilidade. São os seguintes: anteversão colo femoral, joelho valgo, rotação externa e recurvato do joelho.

DISPLASIA DA TRÓCLEA

É o fator fundamental tanto para explicar a biomecânica das instabilidades como para o diagnóstico, pois esta displasia se traduz por anomalias ósseas facilmente evidenciadas nas radiografias simples e nas tomografias computadorizadas do joelho.
A tróclea pode ser pouco profunda, plana ou às vezes convexa, podendo ser analisada nas radiografias simples do joelho. A linha do fundo da tróclea (prolongamento da linha intecondileana de Blumenstatt) normalmente está distante do bordo anterior dos côndilos femorais, formando a profundidade da tróclea. Quando a linha cruza o bordo anterior do côndilo externo, significa que a partir deste ponto a tróclea é plana, sendo chamado de sinal do cruzamento (Fig12-01).

Fig12-01 – Displasia de tróclea femoral

Fig12-01 – Displasia de tróclea femoral

Quanto mais baixo for o cruzamento da linha, mais grave é a displasia, sendo dividida em três tipos: I-II-III. Este sinal do cruzamento é muito importante para o diagnóstico, uma vez que está presente em 97% dos pacientes com instabilidade e somente em 3% dos pacientes sem nenhuma queixa de instabilidade.
Outro detalhe que podemos observar em relação à displasia da tróclea é a “saliência” que representa a projeção mais ou menos anterior do teto da tróclea em relação à cortical anterior do fêmur. A “saliência” normalmente é negativa ou pouco positiva (1-2mm) nos indivíduos normais e quase sempre acima de 3mm nos portadores de instabilidade, podendo chegar a 6-7mm. Esta “saliência” cria algum grau de hiperpressão fêmoropatelar bem localizada sendo provavelmente responsável por grande parte das lesões cartilaginosas encontradas nas instabilidades.
Nas radiografias axiais com joelho a 30° de flexão podemos avaliar o ângulo da tróclea, que é considerado patológico quando é maior que 140°, ou seja, mais aberto. Este ângulo traduz a profundidade da tróclea a 30° de flexão, onde as instabilidades se mostram mais evidentes. Nesta incidência também podemos analisar a morfologia da patela e possíveis graus de subluxações patelares.

ALTURA DA PATELA

Este é um dos fatores importantes nas instabilidades. A patela alta aparece com muita freqüência nas luxações recidivantes. Quando está alta, leva a situações muito instáveis clinicamente, observadas pelo “Sinal de apreensão de Smillie”.
Existem diversos índices para a mensuração da altura patelar, com cada índice apresentando suas medidas, nuances e dificuldades. Utilizamos o índice patelar (IP) descrito por Caton e Deschamps que nos parece com menores possibilidades de erros. Seus valores variam entre 0,8 e 1,2, sendo considerado que a patela é alta acima de 1,2. Nas instabilidades patelares encontramos patela alta em 30% dos casos e somente em 3% nos indivíduos normais.

TA-GT  EXCESSIVA

É a medida da distância entre a tuberosidade tibial anterior (TAT) e a garganta da tróclea (GT) feita na tomografia axial computadorizada (TAC). Esta é uma medida mais prática e mais real do ângulo “Q”. Esta medida traduz o sinal da baioneta ou a implantação mais ou menos lateral da TAT.
Sua medida com o joelho em extensão é considerada normal até 20mm. Nas instabilidades patelares objetivas observa-se TA-GT acima de 20mm em 56% casos. Somente em 3% dos indivíduos normais esta distância alcança 20mm.

DISPLASIA DO QUADRÍCEPS

O papel das alterações do quadríceps nas instabilidades ainda não é bem definido, sendo de difícil mensuração objetiva. Existem dois aspectos que devem ser levados em conta: quadríceps curto e a displasia do vasto medial.
O quadríceps curto está presente quase sempre nas luxações permanentes ou habituais vistas nas crianças menores.
Em relação à displasia do vasto medial, temos os trabalhos de Insall e Hughston que relatam anomalias da porção mais inferior do músculo vasto medial. Outros autores descrevem as retrações da retinácula lateral da patela e mesmo do vasto lateral.  Nós temos a impressão que existe um verdadeiro desequilíbrio da parte mais baixa do aparelho extensor com retração lateral e insuficiência medial. É um problema de difícil reconhecimento e difícil mensuração. Uma das melhores maneiras de mensurar a displasia do vasto medial é a medida do ângulo de inclinação lateral da patela com o joelho em extensão nas tomografias (TAC) ou na radiografia simples em axial a 30° de flexão do joelho.
Na TAC a mensuração do ângulo de inclinação situa-se entre 10-20° nos indivíduos normais e acima de 20° em 90% das instabilidades patelares.

HISTÓRIA / EXAME CLÍNICO / EXAME RADIOLÓGICO

Analisando a história do paciente, seu exame clínico e exames de imagem, podemos encontrar duas formas de apresentação das instabilidades:
= Luxação traumática da patela
= Instabilidades crônicas
Na luxação traumática da patela, o paciente nos conta que seu joelho “sai fora” durante algum esforço ou atividade física (esporte, dança, salto). Isto ocorre num movimento de flexão com rotação externa do joelho e contração violenta do quadríceps, provocando a luxação lateral da patela. Com a extensão do joelho, em muitas ocasiões ocorre a redução espontânea da luxação patelar, quando observamos no exame clínico um joelho traumático agudo, com dor medial ao joelho, derrame articular, equimose medial. As radiografias simples do joelho nas posições de frente, perfil e axial fazem o diagnóstico, mostrando:

  • displasia da tróclea na incidência em perfil;
  • subluxação lateral na incidência em axial;
  • fratura osteocondral (faceta medial patelar ou côndilo lateral)

Se realizarmos a punção articular, observaremos presença de hemartrose com ou sem gordura. É importante lembrar que na presença de hemartrose  pós-traumática nos jovens, a incidência maior de lesões do ligamento cruzado anterior (70-80%) e no restante a incidência de luxação traumática da patela.
As instabilidades crônicas podem se apresentar de diversas maneiras:

  • Luxação permanente = os problemas iniciam na infância com a patela luxada lateralmente. Os movimentos de flexo-extensão do joelho são normais devido à luxação patelar. Se mantivermos a patela reduzida, não se consegue a flexão completa do joelho. Isto ocorre porque o maior problema é o encurtamento do quadríceps.
  • Luxação habitual = a patela está reduzida em extensão, porém toda vez que ocorre a flexão do joelho, a patela luxa lateralmente. Isto também é causado pela retração do quadríceps.
  • Luxação com excursão anormal da patela = a patela mostra-se bastante externa em extensão (praticamente luxada) e durante a flexão ela retorna ao seu lugar, ficando estável em flexão.
  • Luxação recidivante = o sintoma principal é a instabilidade que se traduz ao paciente na forma de apreensão nas atividades da vida diária ou esportiva. As luxações podem ser banais, com redução espontânea. Na evolução pode ocorrer alguma adaptação com a redução das atividades ou com uso de órteses/joelheiras, porém acima de 45-50 anos de idade os fenômenos dolorosos reaparecem, traduzindo o início da artrose fêmoropatelar.
  • Luxação única seguida de problemas / instabilidade patelar potencial = a sintomatologia pode simular a síndrome fêmoropatelar dolorosa, onde a dor é a principal queixa ao descer escadas, correr, praticar esportes ou quando o paciente permanece longo tempo sentado. Pode apresentar bloqueios articulares, que são diferentes do bloqueio meniscal, pois são fugazes com redução espontânea. São sintomas de instabilidade subjetiva. Nos anos seguintes pode aparecer alguma nova luxação ou o primeiro episódio de luxação.
  • Artrose fêmoropatelar lateral = surgem a partir de 45-50 anos. As radiografias mostram um pinçamento fêmoropatelar lateral com subluxação lateral patelar. A história revela que alguns sintomas de instabilidade já tinham surgido na adolescência, isto é, o joelho não era normal. Em algumas situações não há qualquer antecedente e a artrose aparece sem causa aparente.

EXAMES COMPLEMENTARES

RADIOGRAFIAS

Fazemos as três incidências clássicas: frente c/ apoio monopodal / perfil absoluto /
axial de patela a 30º flexão do joelho. Nestas incidências podemos avaliar a displasia da tróclea, altura da patela, ângulo da tróclea, forma da patela, etc. As radiografias simples são suficientes para o diagnóstico dos problemas fêmoropatelares.

TOMOGRAFIA AXIAL COMPUTADORIZADA (TAC)

Normalmente não é necessária para o diagnóstico, sendo muito importante no planejamento da possível cirurgia. Existe um protocolo específico onde os cortes mais adequados do teto da tróclea aparecem quando o túnel intercondileano apresenta a forma de um arco romano regular. Os cortes são feitos em extensão e a 15º de flexão do joelho com e sem contração do quadríceps. Pode-se também mensurar com precisão a TA-GT, a inclinação lateral da patela, displasia e saliência da tróclea, rotação do joelho, anteversão colo femoral, etc.

RESSONÂNCIA NUCLEAR MAGNÉTICA

Atualmente este exame nos fornece poucas informações da articulação fêmoro-patelar. Acreditamos que no futuro irá substituir com mais propriedade a TAC.

ARTRO-RESSONÂNCIA

É o mesmo exame de ressonância magnética colocando-se contraste intra-articular. É útil no estudo das lesões cartilaginosas, porém de pouco interesse nas instabilidades patelares objetivas, uma vez que o tratamento deve ser da instabilidade e não da lesão da cartilagem que é secundária à instabilidade.

ARTROSCOPIA

Isoladamente é pouco útil, pois como foi dito anteriormente as lesões cartilaginosas são secundárias, devendo-se tratar a causa básica que é a instabilidade patelar. A dinâmica da articulação fêmoropatelar é prejudicada por causa da distensão articular necessária neste procedimento.

TRATAMENTO

Os problemas fêmoropatelares devem sempre ser tratados inicialmente de maneira conservadora.
As síndromes fêmoropatelares dolorosas respondem muito bem às medidas conservadoras, com sucesso em torno de 90%, não necessitando de qualquer procedimento cirúrgico. Utilizamos medidas fisioterápicas de reeducação, fortalecimento, flexibilidade muscular e propriocepção que deve ser feita de maneira não agressiva para não lesar ainda mais a cartilagem que já pode apresentar algum sofrimento. Deve ser excluído o trabalho dinâmico contra resistência do quadríceps. Utiliza-se com muita freqüência o trabalho em cadeia cinética fechada. Devem ser também analisadas as possíveis alterações de postura, bacia, quadris, pés, uma vez que as queixas fêmoropatelares podem advir destas outras articulações, ou seja, devemos realizar uma avaliação global do paciente.
Nos pacientes sem instabilidade patelar a indicação de artroscopia é reservada aos casos que não respondem às medidas de reabilitação após 3-4 meses de tratamento, onde podemos encontrar alguma alteração na cartilagem articular, plicas sinoviais, hiperpressão patelar lateral, etc.
Nas instabilidades patelares sempre fazemos inicialmente o tratamento conservador com reabilitação, podendo-se utilizar também uma órtese patelar que em muitos pacientes é benéfica, com melhora significativa dos sintomas de instabilidade e possível retorno a algum tipo de atividade esportiva.
O tratamento cirúrgico das instabilidades visa corrigir os fatores da instabilidade, seja com atuação sobre as partes moles ou partes ósseas.

PLASTIA DE PARTES MOLES

Liberação da retinácula patelar lateral – sempre realizada como 1º tempo em qualquer cirurgia de instabilidade;
Avanço do vasto medial (cirurgia de Insall) – é um ato muito eficaz na correção do desequilíbrio vasto medial/vasto lateral, agindo diretamente na inclinação lateral da patela.
Deve-se ter muito cuidado ao executá-lo, pois podemos levar à hiper ou hipocorreção da patela com suas desastrosas conseqüências;
– Reconstrução do ligamento fêmoropatelar medial (LFPM) – procedimento equivalente ao avanço do vasto medial, quando temos necessidade de corrigir o excesso de inclinação lateral da patela;
Realinhamento distal de partes moles “cirurgia de Roux-Goldthwait” – medialização da metade lateral do tendão patelar ou “cirurgia de Galliazzi” – tenodese do semitendinoso na patela. Estas cirurgias são indicadas nos pacientes com fise de crescimento aberta, pois não podemos mexer nas estruturas ósseas com risco de epifisiodese e conseqüentes deformidades.

CIRURGIAS ÓSSEAS

Medialização da TAT (cirurgia de Elmslie-Trillat) (Fig12-02) – muito eficaz nas instabilidades, sendo o procedimento com mais ação no aparelho extensor. Devemos ter muito cuidado na sua realização, pois se fizermos uma hipercorreção levaremos a conflito medial da patela com insucesso garantido. A mensuração da TA-GT é muito útil nesta medialização da TAT, devendo-se baixar a medida até 10 mm somente, para evitar o risco de hipercorreção.

Fig12-02 – Esquema da cirurgia de Elmslie-Trillat

Fig12-02 – Esquema da cirurgia de Elmslie-Trillat

Abaixamento da TAT – indicada quando o paciente apresenta patela alta. Muitas vezes esta patela alta é negligenciada na correção da instabilidade, sendo a causa principal de falha na correção de algumas instabilidades. Deve-se ter cuidado com o abaixamento excessivo, pois podemos levar à patela baixa. Nós utilizamos o índice de Caton-Deschamps que deve ficar em torno de 1.0.
Trocleoplastia – é um procedimento muito eficaz na correção da displasia da tróclea sendo mais indicado nas formas mais graves quando a tróclea chega a ser convexa. O procedimento não é fácil de ser realizado, agindo diretamente na cartilagem da tróclea femoral. Muito cuidado deve ser tomado na sua realização, pois ao agirmos na cartilagem podem causar lesões mais graves, como também conflitos fêmoropatelares com conseqüente hiperpressão e resultados não satisfatórios.

INDICAÇÕES TERAPÊUTICAS  –  PREFERÊNCIA DOS AUTORES

As indicações são variáveis dependendo da idade e das formas clínicas de apresentação das instabilidades.

CRIANÇAS COM CARTILAGEM DE CRESCIMENTO ABERTA

Nesta idade nenhuma cirurgia sobre o esqueleto deve ser realizada pela possibilidade de lesão da fise com conseqüente deformidade associada.
Como regra o tratamento é conservador através da reabilitação e uso de órtese/joelheira c/ proteção patelar.
Na presença de formas graves de luxação (permanente, habitual ou recidivante), normalmente é necessário o tratamento cirúrgico. Na luxação permanente ou habitual é essencial alguma forma de quadricepsplastia (Judet ou alongamento do tendão quadricipital) associada ao avanço do vasto medial tipo Insall.
Na luxação recidivante é realizada a liberação da retinácula lateral da patela, avanço do vasto medial tipo Insall e com certa freqüência as cirurgias de partes moles tipo Roux-Goldthwait ou Galliazzi.
É importante lembrar aos familiares do paciente a possibilidade de cirurgia óssea no futuro se persistir algum grau de instabilidade.

ADOLESCENTES ou ADULTOS JOVENS

Nas instabilidades patelares objetivas quase sempre teremos a necessidade de tratamento cirúrgico, que será variável dependendo das alterações encontradas.  Não existe uma cirurgia padrão, mas sim gestos/atos cirúrgicos apropriados à cada tipo de alteração, podendo ser isolados ou associados.
Quando observamos uma patela alta com índice de Caton-Deschamps acima de 1,2 é necessário realizar o abaixamento da TAT.
Com a medida da TA-GT acima de 20mm realizamos a medialização da TAT tipo Elmslie-Trillat, levando a TA-GT a 10mm.
Na inclinação da patela acima de 20° fazemos o avanço do vasto medial tipo Insall.
Todos estes procedimentos são acompanhados de liberação da retinácula lateral patelar e muitas vezes associados.
A indicação de trocleoplastia é muita rara, sendo feita somente nas formas graves de displasia da tróclea tipo III.
A instabilidade patelar potencial é muito difícil de ser tratada, pois os procedimentos cirúrgicos são muito eficazes sobre a instabilidade clínica, porém incertos sobre o quadro doloroso. A cirurgia somente é indicada quando observamos algum fator de instabilidade bem determinado e com fácil correção cirúrgica.

REALINHAMENTO DISTAL DA PATELA (Cirurgia de Elmslie-Trillat) (Fig12-02)

 Indicações
Esta técnica é indicada nos pacientes com IPO com lateralização excessiva da TAT, ou seja, com TA-GT aumentada (acima de 20mm) mensurada pela TAC.
Contraindicações
Não devemos realizar esta cirurgia nos pacientes com TA-GT normal (11-12mm) pelo risco de ocorrer hiperpressão medial indesejada e também em pacientes com fise aberta pelo risco de ocorrer fechamento precoce da fise de crescimento com conseqüente deformidade ao nível do joelho.
Anatomia relacionada
Nós devemos saber a anatomia do tendão patelar e sua inserção na TAT.
Técnica cirúrgica
Nós sempre fazemos em primeiro lugar a artroscopia do joelho para avaliação articular completa e tratamento das possíveis lesões condrais. A incisão da pele é parapatelar lateral ao joelho, pois é menos agressiva do ponto de vista estético. Tem início na altura do pólo inferior da patela, estendendo-se até a TAT, em torno de 5-6 cm de comprimento. Através deste acesso podemos fazer também a liberação da retinácula lateral que, pelo nosso entender, faz parte do tratamento cirúrgico na grande maioria dos casos de instabilidade patelar (Fig12-03).

Fig12-03 – Incisão anterolateral de pele

Fig12-03 – Incisão anterolateral de pele

Após a incisão da pele e dissecção do tecido subcutâneo fazemos a demarcação com eletrocautério do bordo medial e lateral da TAT, com extensão de 4-5 cm para a realização da osteotomia longitudinal (Fig12-04). A espessura do fragmento da TAT que será medializado deve ser de 6-7mm para que não haja risco de fratura no momento da fixação com o parafuso.
Fig12-04 – Marcação medial e lateral da TAT para osteotomia

Fig12-04 – Marcação medial e lateral da TAT para osteotomia

Nós utilizamos osteótomos finos para a osteotomia (Fig12-05) que tem início na inserção proximal do tendão patelar (6-7mm de espessura) na TAT, dirigindo-se no sentido distal com inclinação anterior para que ao final da osteotomia reste 1-2mm de cortical, deixando a inserção subperiostal que é útil para a estabilidade do fragmento.
Fig12-05 – Osteotomia da TAT com osteótomo fino (delgado)

Fig12-05 – Osteotomia da TAT com osteótomo fino (delgado)

Após a osteotomia, realizamos com cuidado a “fratura” do fragmento através de manobra de medialização/lateralização do fragmento (Fig12-06).
Fig12-06 – Elevação (“fratura”) do fragmento da osteotomia

Fig12-06 – Elevação (“fratura”) do fragmento da osteotomia

A seguir fazemos a medialização desejada (previamente planejada através da medida da TA-GT) com a confirmação através de régua milimétrica (Fig12-07).
Fig12-07 – Mensuração com régua da medialização da TAT

Fig12-07 – Mensuração com régua da medialização da TAT

Se a TA-GT prévia é de 22mm e queremos deixar em 12mm, então realizamos 10mm de medialização. Fazemos a fixação provisória do fragmento na posição adequada através de uma pinça tipo “backaus” ou fio de Kirschner. A seguir fazemos a perfuração do fragmento e da cortical posterior da tíbia com broca 3.2 e a fixação com um parafuso cortical de 4.5mm de tamanho adequado até a cortical posterior da tíbia (Fig12-08,09).Se não houver ruptura do periósteo na parte distal da osteotomia e a fixação for estável, somente um parafuso é necessário. Caso contrário, utilizamos dois parafusos para garantir uma boa fixação.
Fig12-08 – Fixação provisória com fio de Kirschner e parafuso cortical

Fig12-08 – Fixação provisória com fio de Kirschner e parafuso cortical

 
Fig12-09 – Fixação final da TAT medializada

Fig12-09 – Fixação final da TAT medializada

Após a fixação fazemos radiografias pér-operatórias de frente e perfil para avaliar a osteotomia e o tamanho correto do parafuso de fixação.
Neste momento fazemos movimentos de flexo-extensão do joelho para avaliar a excursão da patela na tróclea femoral. Se a posição da patela for adequada, sem inclinação lateral e/ou subluxação, nós consideramos o procedimento satisfatório e final. Caso ainda persistir alterações no alinhamento, realizamos o avanço do vasto medial, que é nossa preferência para o realinhamento proximal. Quando existe patela alta pelas medidas das radiografias do pré-operatório, também fazemos o abaixamento da TAT para que o índice patelar fique em torno de 1.0 conforme Caton-Dechamps.
A seguir fazemos a liberação do torniquete para uma hemostasia adequada, principalmente da artéria genicular superior lateral por causa da liberação da retinácula lateral e colocamos um dreno de sucção 3.2 no subcutâneo.
O fechamento da ferida operatória é realizado com pontos separados no tecido subcutâneo e sutura intradérmica da pele.

Pós-operatório

  • sem imobilização
  • 1 (uma) muleta contra-lateral = 5 semanas
  • reabilitação imediata
  • hidroterapia = 3-4 semanas
  • corrida = 3 meses
  • esportes = 5-6 meses

Complicações

As complicações normalmente são decorrentes do tratamento cirúrgico das instabilidades patelares. Elas podem ocorrer por razões pré, per ou pós-operatórias.
As complicações pré-operatórias são devidas à falha de diagnóstico correto e planejamento adequado da cirurgia a ser realizada. São decorrentes da falha de avaliação clínica, quando devemos avaliar detalhadamente as queixas, sinais e sintomas dos pacientes. Não são raras as ocasiões  que atendemos pacientes operados diversas vezes na articulação fêmoropatelar com resultados insatisfatórios. Com freqüência isto é devido a diagnóstico incorreto com cirurgias desnecessárias.
As complicações pér-operatórias levarão a maus resultados no pós-operatório. Normalmente ocorrem por falha na técnica cirúrgica, seja por procedimentos isolados ou associados levando à hipo ou hipercorreção. Na escolha de atos sobre as partes moles ou ósseas (realinhamento proximal e/ou distal) podemos realizar atos insuficientes com conseqüente hipocorreção e presença de instabilidade residual. Quando exageramos nos gestos cirúrgicos ou realinhamentos em excesso, haverá hipercorreção com conflitos, sobrecargas e conseqüente dor residual ou mesmo exacerbada.
As complicações pós-operatórias podem ser decorrentes dos atos cirúrgicos  descritos acima ou do tratamento pós-operatório. A falta de consolidação do fragmento e a fratura do fragmento são eventos muito raros neste tipo de cirurgia. Podemos ter problemas com a reabilitação não adequada, limitação da mobilidade do joelho e distrofia simpático-reflexa.
A melhor maneira de tratar as complicações é evitá-las, fazendo o diagnóstico correto, planejamento adequado e os atos cirúrgicos necessários para correção das diferentes formas clínicas de instabilidade.

CONSIDERAÇÕES FINAIS

As síndromes ou instabilidades fêmoropatelares são patologias que devem ser bem definidas sob o ponto de vista clínico, radiológico e também tomográfico.
Normalmente encontramos alterações características que com frequência devem ser corrigidas cirurgicamente para melhorar o estado funcional da articulação (instabilidade) e com a recentragem da patela evitar as alterações degenerativas (artrose) após 50 anos de idade.
O tratamento cirúrgico adequado é difícil, devendo-se realizar as correções necessárias e precisas para evitar a hipercorreção com dor persistente ou hipocorreção com instabilidade residual.

CASO CLÍNICO

Paciente do sexo feminino, 15 anos de idade e estudante. História de diversos episódios de luxação patelar do joelho direito, com dor e derrame articular após as luxações. Fez tratamento conservador com reabilitação muscular por seis meses, voltando a apresentar episódios de luxação da patela.
No exame físico apresentava inclinação lateral (báscula) aparentemente excessiva, sinal da apreensão de “Smillie” positivo e encurtamento da musculatura anterior e posterior da coxa.
No exame radiográfico simples havia displasia da tróclea femoral, patela alta com IP de 1.4 (Caton Deschamps) (Fig12-10).pós a fixação fazemos radiografias pér-operatórias de frente e perfil para avaliar a osteotomia e o tamanho correto do parafuso de fixação.

– Radiografia em perfil pré-operatória – Displasia de tróclea femoral e patela alta

– Radiografia em perfil pré-operatória – Displasia de tróclea femoral e patela alta

TAC com mensuração da TA-GT (20mm)

TAC com mensuração da TA-GT (20mm)

 
 
TAC com mensuração da inclinação patelar lateral (34º)

TAC com mensuração da inclinação patelar lateral (34º)

Não obtivemos resposta satisfatória com o tratamento conservador. Então realizamos o procedimento de “realinhamento distal da patela” com medialização da TAT em 10mm (Fig12-13).
Radiografia em perfil pós-operatória – Realinhamento patelar distal

Radiografia em perfil pós-operatória – Realinhamento patelar distal

Como também apresentava patela alta, realizamos no mesmo o ato o abaixamento da TAT para levar o IP até 1.0. Após estes procedimentos avaliamos a excursão patelar, sendo necessário realizar concomitantemente o realinhamento proximal com avanço do vasto medial.

REFERÊNCIAS

  1. Andrade MAP.: A articulação fêmoropatelar. In: Pardini Jr AG, Souza JMG. Clínica Ortopédica-SBOT. Rio de Janeiro/RJ: MEDSI Editora; 2002: Vol 3 (3): 453-654.
  2. Dejour H., Walch G., Nove-Josserand L., Guier Ch. Factors of patellar  instability:  an    anatomic  radiographic study. Knee Surg, Sports Traumatol, Arthroscopy . 1994;2:19-26.
  3. Dejour H.: Instabilités de   la  rotule.   Encyclopédie   Médico-Chirurgicale  –  Appareil  locomoteur. 1996;14-328-A10: 1-8.
  1. Fulkerson JP.: Disorders  of  the  patellofemoral  joint.  Maryland:Williams & Wilkins;  1997.
  2. Grelsamer RP. McConnell J.: The  patella  –  A   team    approach.    Maryland:   Aspen Publication; 1998.
  1. Pozzi JF, Konkewicz E, Nora B. Tratamento cirúrgico das instabilidades rotulianas. Ver Bras Ortop. 1993;8:277-283.
  2. Dejour H, Walch G, Neyret Ph, Adeleine P. La dysplasia de la trochlée femorale. Rev Chir Orthop. 1990;76:45-54.

SIGLAS:

-IPO – Instabilidade patelar objetiva
-IPP – Instabilidade patelar potencial
-IPM – Instabilidade patelar maior
-IP – Índice patelar
-LFPM – Ligamento fêmoropatelar medial
-SFPD – Síndrome fêmoropatelar dolorosa
-TAC – Tomografia axial computadorizada
-TAT – Tuberosidade anterior tibial
-TA-GT – Distância mensurada pela TAC entre a TAT e a garganta da tróclea (GT)

LEGENDAS

Fig12-01 – Displasia de tróclea femoral
Fig12-02 – Esquema da cirurgia de Elmslie-Trillat
Fig12-03 – Incisão anterolateral de pele
Fig12-04 – Marcação medial e lateral da TAT para osteotomia
Fig12-05 – Osteotomia da TAT com osteótomo fino (delgado)
Fig12-06 – Elevação (“fratura”) do fragmento da osteotomia
Fig12-07 – Mensuração com régua da medialização da TAT
Fig12-08 – Fixação provisória com fio de Kirschner e parafuso cortical
Fig12-09 – Fixação final da TAT medializada
Fig12-10 – Radiografia em perfil pré-operatória – Displasia de tróclea femoral e patela alta
Fig12-11 – TAC com mensuração da TA-GT (20mm)
Fig12-12 – TAC com mensuração da inclinação patelar lateral (34º)
Fig12-13 – Radiografia em perfil pós-operatória – Realinhamento patelar distal

ÍNDICE REMISSIVO

– Instabilidade Patelar
– Displasia de tróclea femoral
– Realinhamento patelar

Post anterior
Revisão de artroplastia de joelho
Próximo post
Revisão nas Falhas de Reconstruções do LCA
Menu
Dúvidas? Clique aqui